ortograficoO adiamento da implantação obrigatória do Novo Acordo Ortográfico no Brasil para 2016, que está a ser analisado pelo Governo brasileiro, divide opiniões de professores de português, coordenadores de escolas e alunos.

As novas regras, que podem ser usadas de forma facultativa desde 2008 e já são aplicadas em livros didáticos e em várias escolas, tornar-se-iam obrigatórias a partir de janeiro de 2013, segundo o texto original.

Senadores da Comissão de Educação acolhem as críticas feitas ao texto por linguistas e acordaram com o Governo a redação de um decreto presidencial que adie a obrigatoriedade das novas regras para janeiro de 2016, um ano após a sua implementação definitiva em Portugal.

No início do mês, o ministro brasileiro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou à Lusa que o adiamento tinha sido recomendado pelo Ministério das Relações Exteriores e estava a ser estudado pela sua tutela. O Governo não voltou a se manifestar sobre o assunto.

NOTICIA:ESTELA SILVA/LUSA
COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A reação das autoridades brasileiras ao acordo ortográfico, em contraste com a assinatura e implementação da entrada em vigor do mesmo em Portugal, é bem reveladora da nossa pequenez e subserviência! Com as razões que nos assistem, por demais óbvias, assinamos de cruz. O Brasil, irá transpor para 2016 a entrada em vigor de tal diploma. Pasme-se!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Anti Spam * * Tempo esgotado. Por favor recarregue o CAPCHA.