- Pub -

Mais um verão com um país em chamas, mais quente do que o habitual, este mês de agosto tem sido assim uma autêntica calamidade em termos de incêndios. As imagens das enormes chamas que destroem grande parte das nossas florestas, deixando sem habitação muitas famílias, têm sido uma constante em todos os canais televisivos nacionais. As tragédias pessoais de numerosas vítimas são noticiadas até à exaustão com vários diretos, inúmeras entrevistas e centenas de explicações dadas por um sem número de especialistas em qualquer coisa, têm ocupado os vários canais durante horas intermináveis.

O desespero das pessoas é explorado com uma insistência perversa, acompanhado de enormes labaredas, faúlhas e destruição. Será possível que não se perceba que esta exaustão do tema é precisamente a motivação dos incendiários. Não há ninguém, em nenhum dos canais televisivos que perceba isso e evite, em nome das audiências, incentivar os criminosos na perpetuação do crime através destas imagens de destruição.

Deveria ser também considerado crime o incentivo que é dado aos incendiários e sabemos que estas imagens o são. As notícias deverão ser transmitidas com bom senso e não servirem os interesses das televisões. O incentivo dado por estas a comportamentos de risco deveria penalizar os responsáveis televisivos, possivelmente só assim se conseguiria alguma retidão também na forma como se informa.

- Pub -

Deixe o seu comentário