foto: Mitch Battros / Earth Changes Media //

Um grupo de investigadores de vários países, liderado pela Agência Japonesa para a Ciência e Tecnologia Marítimo-Terrestre – JAMSTEC, declarou esta semana que pretende ser o primeiro a perfurar o manto da Terra.

 Os cientistas explicaram que “esperam descobrir informações sobre a formação da Terra e da crosta terrestre”. Os trabalhos estão agendados para o início de 2020 e vão envolver o navio científico de perfuração japonês Chikyu.

Segundo o The Japan News, a Agência Japonesa para a Ciência e Tecnologia Marítimo-Terrestre irá conduzir um estudo preliminar nas águas do Havai e em algumas zonas do México e Costa Rica.

O manto representa mais de 80% da massa total da Terra e fica 10 km abaixo do fundo do oceano. “Será necessário usar soluções técnicas capazes de resistir às altas temperaturas que encontraremos, que excedem os 250 °C”, explica a equipa de cientistas.

Ao mesmo tempo, será necessário um sistema de apoio logístico para permanecer no sítio de perfuração durante todo o período”, explicam os cientistas do grupo.

“Os avanços tecnológicos beneficiarão sem dúvida o Japão, a Terra e a ciência“, acrescenta a JAMSTEC.

(dr) The Yomiuri Shimbun

Plano japonês para perfurar o manto da Terra

Plano japonês para perfurar o manto da Terra

“A criação de um tubo leve e resistente para perfurar 6 km abaixo do mar sempre foi um desafio”, disse a JAMSTEC.

“No entanto, “a perfuração é agora possível do ponto de vista técnico, em parte graças ao surgimento de novos materiais”, acrescenta a agência.

“Outro problema é o custo”, diz Susumu Umino, professor da Universidade de Kanazawa e especialista em petrologia.

Os pesquisadores estimam que o orçamento para este projecto seja de 60 mil millhões de ienes – cerca de 5 mil milhões de euros.

O manto é a camada da estrutura da Terra (e dos planetas com composição similar) que fica directamente abaixo da crosta, prolongando-se em profundidade até ao limite exterior do núcleo.

O manto terrestre estende-se desde cerca de 30 km de profundidade (podendo ser bastante menos nas zonas oceânicas) até aos 2 900 km abaixo da superfície (transição para o núcleo). A pressão na parte inferior do manto atinge um valor equivalente a 1.400.000 atmosferas.

O manto difere da crosta pelas suas características de composição química e de comportamento mecânico, que se traduzem numa alteração súbita nas propriedades físicas dos materiais.

Esta alteração súbita ficou conhecida por descontinuidade de Mohorovičić, ou simplesmente Moho, em homenagem a Andrija Mohorovičić, o geofísico que a descobriu. A descontinuidade de Mohorovičić marca a fronteira entre a crosta e o manto.

Depois de nos anos de 1970-80 ter sido abandonado o projecto Mohole, que pretendia fazer uma perfuração que atingisse a descontinuidade de Mohorovičić, estava prevista para 2007 nova tentativa – desta vez utilizando o navio japonês Chikyu, que tentou sem sucesso perfurar 7.000 metros na crusta oceânica.

O mesmo Chikyu terá agora uma nova oportunidade de perfurar a crusta terrestre, e chegar audaciosamente onde nenhum homem jamais esteve.

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui