Numa altura em que vários terríveis problemas assolam o nosso mundo, a preocupação crescente com uma epidemia viral descontrolada, o clima de guerra na Ucrânia, na faixa de Gaza, no Iraque. Era bom que os governantes pudessem parar, para tentar perceber quais deverão ser as prioridades de cada Estado na tentativa de se reunirem forças tentando escolher o futuro onde se quer viver.

Com toda a certeza as nossas escolhas para um “Novo Mundo” seriam muito diferentes daquelas com que convivemos presentemente. Todos concordamos que falta mais humanidade e solidariedade nas escolhas atuais, há demasiado mundo económico, calculista e mercantilizado.

O caminho a encontrar é o de destruir as fontes de sofrimento, e como o fazer. As grandes emergências mundiais deveriam ser o erradicar dos surtos de doença, de guerras e de fome. O trabalho de todos os diplomatas deveria ser trabalhar conjuntamente para encontrar esse caminho, ao invés de se discutirem,  ininterruptamente, taxas de juro, inflações, déficits, sustentabilidades….

As soluções encontradas trariam uma sociedade mais igual e justa imbuída de espírito de tolerância, de civismo e democracia.

Não é difícil encontrar esse caminho, bastaria governar para e com as pessoas e não de costas voltadas para elas. Bastaria procurar cada solução partindo do coletivo para o individual. Bastaria, sobretudo, saber por onde caminhar.

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.