A República Centro-Africana lançou um mandado de captura internacional contra o ex-presidente François Bozizé, deposto num golpe de Estado em Março, por crimes contra a humanidade e incitação ao genocídio, informou hoje o procurador de Bangui Alain Tolmo.

“Desde 29 de maio de 2013, um mandado de captura internacional foi emitido contra… François Bozizé”, anunciou o procurador, sublinhando que entre as acusações figuram crimes no âmbito do estatuto do Tribunal Penal Internacional (TPI), entre os quais “crimes contra a humanidade e incitação ao genocídio”.

Segundo Tolmo, o antigo presidente de 66 anos, que fugiu do país depois do golpe de Estado, é também acusado de 22 homicídios, 53 prisões, sequestros e detenções arbitrárias e 119 execuções sumárias, além de 3.823 crimes de destruição e incêndio de casas de habitação.

O Governo interino da República Centro-Africana anunciou no início do mês que abriria um inquérito sobre “graves violações dos direitos humanos” por parte de Bozizé e os seus aliados ao longo dos 10 anos em que esteve no poder.

“Desde 02 de maio de 2013, com base em informações factuais, detalhadas, precisas (…) foram transmitidas instruções ao Ministério Público para ordenar a abertura de um inquérito contra François Bozizé Yangouvonda e outros, por acusações múltiplas e lamentavelmente graves”, precisou o magistrado.

“Outros mandados de captura internacionais estão em vias de ser emitidos”, acrescentou, sem mais pormenores.

O Governo interino, chefiado pelo líder rebelde Michel Djotodia, prometeu eleições livres e justas para o final do período de transição, de 18 meses.

Mas os rebeldes têm também tido dificuldades em manter a ordem e foram eles próprios acusados de participar numa vaga de homicídios e pilhagens naquele país de 4,5 milhões de pessoas.
Em Abril, o próprio Bozizé apelou a um inquérito internacional sobre a crise em Bangui.

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.