foto : Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Se os dados se confirmarem, a Alternativa para a Alemanha (AfD) mais do que duplicará os seus resultados em relação às eleições de 2014 nas regiões da Saxónia e de Brandenburgo.

Na Saxónia, a extrema-direita terá subido de 9,7% para 27,5% dos votos. Contudo, mantém-se no segundo lugar, atrás dos conservadores da CDU (32%), partido de Merkel, segundo as estatísticas divulgadas pela emissora pública alemã este domingo.

Em Brandenburgo, a AfD terá conquistado entre 22,5% e 24,5% dos votos. Há cinco anos teve 12,2%. Apesar do aumento de votos, com este resultado não superará a lista social-democrata, com 27,5%.

“Estamos muito satisfeitos. Mais que duplicamos os nossos resultados de 2014 na Saxónia e em Brandenburgo”, celebrou Alexander Gauland, copresidente da AfD, após o anúncio dos primeiros resultados, embora o partido não tenha sido o mais votado em nenhuma das duas regiões, como previam as estimativas.

Caso os resultados dos dois estados se confirmem, trata-se de um forte avanço da extrema-direita na Alemanha. Ainda assim, a CDU (direita) e o SPD (centro-esquerda), que governam em coligação em Berlim, conseguem manter-se como as forças mais votadas em cada uma das regiões, onde já existiam governos de coligação.

Os partidos tradicionais, especialmente a CDU, já avisaram que não farão coligações com a extrema-direita. De facto, o partido de centro-direita da chanceler alemã, Angela Merkel, rejeitou, esta segunda-feira, unir forças com a extrema-direita, que obteve um quarto dos votos em duas eleições regionais no domingo.

O jogo político para formar governo promete ser complicado. Estes estados podem acabar por ser governados por alianças amplas e heterogéneas de direita e esquerda.

De acordo com as estimativas, os Verdes – que podem tornar-se o segundo partido mais votado nas próximas eleições gerais da Alemanha – vão obter resultados abaixo do esperado nestas eleições regionais, com apenas 9% dos votos em ambos estados, enquanto as sondagens indicavam 14%. Com apenas 10% dos votos, o partido de esquerda Die Linke perde oito pontos em relação a 2014.

ZAP //

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui