O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, considera que as medidas de austeridade anunciadas pelo primeiro-ministro são inaceitáveis porque vão ter efeitos recessivos, vão aumentar o desemprego e os despedimentos.

“Estamos confrontados com um novo e brutal pacote de austeridade que vai aumentar o desemprego e a austeridade”, disse Arménio Carlos à agência Lusa.

O sindicalista considerou que as medidas anunciadas “não resolvem nenhum problema mas, pelo contrário, vão agravar os problemas económicos do país”.

“Estas medidas vão ter efeitos recessivos na economia”, afirmou.

Arménio Carlos criticou, nomeadamente, o aumento do horário de trabalho na função pública das 35 para as 40 horas semanais, por considerar que isto corresponde a uma redução salarial de cerca de 14%.

O líder da Intersindical acusou o Governo de fazer recair o novo pacote de austeridade sobre “as vítimas de sempre: os reformados e os trabalhadores”, mas “nunca abrange a despesa parasitária, nem prevê medidas de combate à fraude e evasão fiscal”.

Arménio Carlos considerou ainda que o primeiro ministro, ao apresentar as novas medidas de austeridade e propor um consenso com os parceiros sociais em torno delas “mostra a visão que tem do diálogo social”.

“O que o primeiro-ministro está a propor é que nos sentemos à mesa das negociações e aceitemos sem discussão as medidas que anunciou, mas não aceitaremos e vamos responder mobilizado os trabalhadores e pensionistas para a concentração de dia 25, em Belém, em defesa de eleições antecipadas”, disse.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje numa declaração ao país um pacote de medidas que vão poupar nas despesas do Estado 4,8 mil milhões de euros, até 2015, que inclui o aumento do horário de trabalho da função pública das 35 para as 40 horas, a redução de 30 mil funcionários públicos e o aumento da idade da reforma para os 66 anos de idade, entre outras medidas.

O Governo pretende também criar uma contribuição sobre as pensões e prevê o aumento das contribuições para os subsistemas de saúde dos trabalhadores do Estado (nomeadamente a ADSE) em 0,75 pontos percentuais, já este ano e 0,25% no início de 2014.

O primeiro-ministro anunciou ainda que o Governo pretende limitar a permanência no sistema de mobilidade especial a 18 meses e eliminar os regimes de bonificação de tempo de serviço para efeitos de acesso à reforma.

LUSA
FOTO:Manuel Almeida/LUSA
COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.