foto: (CC0/PD) typographyimages / pixabay //

Longe vai o tempo em que para sequenciar ADN eram necessárias pesquisas caras e computadores poderosos. Agora, os cientistas já conseguiram usar um dispositivo móvel para fazer o mesmo trabalho.

Uma equipa de investigadores da Universidade de Los Angeles (UCLA) e da Suécia anunciou esta semana o desenvolvimento de um microscópio que utiliza um smartphone para detetar as sequências de ADN em células e tecidos.

Na prática, o grupo desenvolveu e produziu numa impressora 3D um periférico para integrar o microscópio a um Nokia Lumia 1020, conseguindo usá-lo para fazer o sequenciamento em linhas de cancro e amostras de tumores. A análise foi feita através de uma aplicação no smartphone.

Assim, é possível ligar o microscópio móvel a um telemóvel e realizar sequenciamentos de ADN ou análises moleculares em tumores, mesmo em locais remotos, que não possuem equipamentos médicos de primeira linha, ou mesmo fora de um ambiente hospitalar.

A nova técnica foi apresentada num artigo publicado esta terça-feira na Nature Communications.

Em teoria, a nova tecnologia pode permitir que os médicos sejam capazes de diagnosticar casos de cancro em qualquer lugar, um grande avanço para a telemedicina.

“Os diagnósticos moleculares no ponto de atendimento são atualmente uma questão difícil em locais com baixos recursos. Com o grande desenvolvimento das suas câmaras e sensores, bem como o seu poder computacional, os smartphones podem trazer medições biomédicas dos laboratórios para o campo“, afirmam os cientistas.

ZAP // Canal Tech

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui