Início Atualidade Costuma acordar segundos antes do despertador tocar? Há uma explicação científica para...

Costuma acordar segundos antes do despertador tocar? Há uma explicação científica para o fenómeno

Os humanos têm um sistema de processos internos que ajudam os corpos a programar-se de acordo com o tempo, sendo também moldados pela exposição à luz solar, cafeína, refeições, exercício e outros factores.

Talvez isto já lhe tenha acontecido. Vai para a cama com uma tarefa matinal em mente, como um voo para apanhar ou uma reunião importante. Na manhã seguinte, acorda espontaneamente e descobre que o seu despertador está a um minuto ou dois de tocar. Sorte ou pura? Talvez tenha alguma habilidade extraordinária para acordar precisamente a horas, sem ajuda?

“Esta é uma daquelas questões no estudo do sono em que todos no campo parecem concordar que é o que obviamente não pode ser verdade”, explicou Robert Stickgold,neurocientista cognitivo da Harvard Medical School e Beth Israel Deaconess Medical Center. Stickgold lembra-se mesmo de ter levado o tópico ao seu mentor quando estava a começar no campo — apenas para ser recebido com um olhar duvidoso e uma explicação pouco satisfatória.

No entanto, o investigador ainda acredita que há algo a dizer. “Este tipo de despertar de precisão é relatado por centenas e milhares de pessoas”, enumera, incluindo ele próprio. “Posso acordar às 7:59 e desligar o despertador antes que a minha mulher acorde”.

É claro, e também bem sabido, que os humanos têm um sistema elegante e intrincado de processos internos que ajudam os corpos a programar-se de acordo com o tempo. Moldados pela exposição à luz solar, cafeína, refeições, exercício e outros factores, estes processos regulam os ritmos circadianos ao longo de cerca de 24 horas de dia e de noite, com repercussões, por exemplo, na hora em que vamos para a cama e acordamos.

Se estiver a dormir o suficiente e o seu estilo de vida estiver alinhado com os seus ritmos circadianos, deverá normalmente acordar por volta da mesma hora todas as manhãs, ajustando-se às diferenças sazonais, explica Philip Gehrman, um especialista do sono da Universidade da Pensilvânia.

Ainda assim, tal não é suficiente para explicar adequadamente este fenómeno de acordar precisamente alguns minutos antes do alarme, especialmente quando se trata de uma hora consideravelmente diferente do seu horário normal. “Ouço isto a toda a hora”, diz ele. “Penso que é a ansiedade de estar atrasado pode ajudar”.

Na verdade, alguns cientistas analisaram este enigma ao longo dos anos, com, é certo, resultados mistos. Por exemplo, um pequeno estudo de 1979, com 15 pessoas, descobriu que, ao longo de duas noites, os sujeitos conseguiram acordar a menos de 20 minutos do tempo correto em mais de metade das ocasiões.

Os dois sujeitos com melhores foram então seguidos durante mais uma semana, mas a sua precisão desceu rapidamente. Outra pequena experiência permitiu aos participantes escolher quando se levantavam e concluiu que cerca de metade dos despertares espontâneos estavam dentro de sete minutos da escolha que tinham escrito antes de irem dormir.

Outros investigadores adoptaram abordagens mais subjectivas, pedindo às pessoas que relatassem se tinham a capacidade de acordar a uma determinada hora. Num desses estudos, mais de metade dos inquiridos disseram que o conseguiam fazer. De facto, Stickgold diz que é bem possível que “como muitas coisas que pensamos fazer a toda a hora, só o fazemos de vez em quando“.

Como se vê, as provas científicas não são propriamente esmagadoras. Mas houve uma linha intrigante de provas que me chamou a atenção, graças a Phyllis Zee, chefe de medicina do sono na Faculdade de Medicina da Universidade Northwestern de Feinberg.

As hormonas do stress podem desempenhar um papel

No final dos anos 90, um grupo de investigadores na Alemanha quis descobrir como a expectativa de acordar influenciou o que é conhecido como eixo HPA — um sistema complexo no corpo que lida com a nossa resposta ao stress e envolve o hipotálamo, a glândula pituitária e as glândulas supra-renais.

Jan Born, um dos autores do estudo, diz saber que os níveis de uma hormona que está armazenada na hipófise, chamada ACTH, começam a aumentar antes do momento em que se acorda habitualmente, o que por sua vez sinaliza as glândulas supra-renais para libertar cortisol, uma chamada “hormona do stress” que ajuda a acordar, entre outras coisas.

“Neste contexto, decidimos experimentá-la e ela saiu realmente como hipótese”, diz Born, professor de neurociência comportamental na Universidade de Tubingen, na Alemanha. Born e a sua equipa encontraram 15 pessoas que normalmente acordariam por volta das 7 ou 7:30 da manhã, colocavam-nas num laboratório do sono e recolhiam amostras de sangue ao longo de três noites.

Os sujeitos foram divididos em três grupos diferentes: Cinco deles foram informados que teriam de se levantar às 6 da manhã; outros foram designados às 9 da manhã; ao terceiro grupo foi dada uma hora de despertar às 9 da manhã, mas depois foram inesperadamente acordados às 6 da manhã. Born diz que surgiu uma clara diferença à medida que o seu tempo de despertar se aproximava.

Os participantes que anteciparam o despertar às 6 da manhã tiveram um notável aumento na concentração de ACTH, começando por volta das 5 da manhã. “Esta é uma boa resposta preparatória adaptativa do organismo”, diz Born com um riso, “porque depois tem energia suficiente para se levantar e pode fazê-lo até ter o seu primeiro café”.

Esse mesmo aumento de hormonas de stress antes de acordar não foi registado nos membros do grupo que não planearam levantar-se cedo, mas foram surpreendidos com uma chamada de despertar às 6 da manhã. O terceiro grupo – aquele a quem foi atribuída uma hora de despertar das 9 da manhã, não teve um aumento pronunciado no ACTH uma hora antes de se levantar (Born diz que isso sugere que foi simplesmente demasiado tarde pela manhã para ver o mesmo efeito).

A experiência de Born não estava realmente a medir se as pessoas acabariam por acordar sozinhas antes de uma hora predeterminada, mas diz que os resultados levantam algumas questões intrigantes sobre esse fenómeno. Afinal, como é que os seus corpos sabiam que teriam de se levantar mais cedo do que o normal?

“Diz-lhe que o sistema é plástico, pode adaptar-se, por si só, a mudanças no tempo”, diz ele. E também sugere que temos alguma capacidade para explorar este “sistema” enquanto estamos acordados. Essa ideia não é totalmente estranha no campo da investigação do sono, diz ele.

“É bem conhecido que existe uma espécie de mecanismo no cérebro que se pode usar por vontade própria para influenciar o corpo, o cérebro, enquanto está a dormir”, diz Born. Ele aponta para uma investigação que mostra que uma sugestão hipnótica pode ajudar a fazer alguém dormir mais profundamente.

Zee diz que existem provavelmente “múltiplos sistemas biológicos” que poderiam explicar porque é que algumas pessoas parecem capazes de acordar sem um despertador a uma determinada hora. É possível que a preocupação de se levantar esteja de alguma forma a “sobrepor-se” ao nosso relógio interno, diz ela.

“Este documento é realmente puro porque mostra que o seu cérebro ainda está a funcionar”, diz ela.

Claro que, exatamente como está a funcionar e em que medida se pode confiar neste enigmático sistema de alarme interno continua a ser uma grande questão sem resposta. “É um verdadeiro mistério científico“, diz ele, “do qual temos muito”. E como em muitos campos, acrescenta, ao enfrentar um mistério, seria arrogante “assumir que, como não sabemos como pode acontecer, que não pode”.

   ZAP //

SEM COMENTÁRIOS

Deixe o seu comentárioCancel reply

Exit mobile version