- Pub -

Num artigo na sua revista oficial Dabiq, o Estado Islâmico declarou como seu “inimigo número 1″ o Papa Francisco, a quem chama de “infiel” e “imoral”, e promete conquistar Roma.

No mais recente número do seu órgão de propaganda oficial, a organização terrorista Estado Islâmico acusa o Papa Francisco de ser “imoral”, por defender os homossexuais e critica-o por “procurar o diálogo com o Islão moderado”.

Segundo o Daily Express, o artigo, publicado na Dabiq com o título “Pelas Palavras do Inimigo”, critica violentamente o Papa Francisco por manter diálogo com Ahmed al Tayeb, um pregador árabe da prestigiada universidade cairota de Al Azhar, no Egipto, que o DAESH considerou apóstata.

Num outro artigo na mesma edição da revista, publicado com o título “Porque vos odiamos e porque vos combatemos”, a organização continua com o seu discurso de ódio, e clarifica as suas razões: “Odiamos-vos, primeiro e acima de tudo, porque não acreditam em Alá“.

“Odiamos-vos porque a vossa sociedade secular e liberal permite todas as coisas que Alá proibiu”, acrescenta o artigo.

O Estado Islâmico, que perdeu recentemente o seu porta-voz, divulgou anteriormente um vídeo propagandístico, no qual revelava já a intenção de invadir Roma e assassinar o Papa.

Uma das cenas do vídeo mostra tanques a avançar sobre a capital italiana, enquanto o narrador diz que o DAESH vai tomar a cidade, escravizar as suas mulheres e destruir todos os crucifixos.

Após a divulgação deste vídeo, a segurança pessoal do Papa e o policiamento nas ruas do Vaticano foram reforçados.

Mas um porta-voz do Vaticano adiantou na altura que “o Papa não tem medo“, tendo-se recusado a usar colete à prova de balas.

“O Papa Francisco está a par de todas as ameaças do Estado Islâmico, mas não quer perder o contacto com as pessoas ” e não vai mudar a sua forma de estar, acrescentou o porta-voz.

AJB, ZAP

- Pub -

Deixe o seu comentário