Jan 18 – Etapa 13: Copiaco – La Serena – distância total 735 km: 294 km ligação; 441 km especial

O dia não correu conforme os desejos de Ruben Faria. Na primeira parte esteve bem, porque após 163 Km só perdia 26s para Francisco Lopez. Porém, no sector seguinte o chileno atacou forte e o algarvio conheceu algumas dificuldades de navegação, tanto que a diferença entre eles aumentou então para a casa dos 10 minutos. Na meta Lopez era o mais rápido, diante do seu público ascendeu ao 2.º posto da “geral”, enquanto Cyril Despres manteve firme a liderança ao ser segundo nesta etapa.

Ruben foi apenas 15.º neste dia, a 14m27s de Lopez, e explicou porquê: “Cometi um erro ao Km 191, juntamente com Barreda e Verhoeven, e ficámos para trás. Depois, percebi que ‘Chaleco’ (Francisco Lopez) rolava muito depressa, e disse para comigo que não devia arriscar uma queda para tentar manter o 2.º lugar. Não vim aqui para isso, vim pelo Cyril (Despres), e não quis fazer asneira,” admitiu o piloto de Olhão.

Ainda na véspera Hélder Rodrigues acabou por subir ao 8.º lugar, devido a uma penalização que atrasou Alessandro Botturi. Hoje, o lusitano foi 6.º na etapa e ultrapassou o holandês Frans Verhoeven na “geral”, sendo agora 7.º classificado. Em condições normais, será difícil que Hélder melhore o posicionamento amanhã, pois está a 6m42s do sexto colocado, Olivier Pain. Mas basta recordar o sucedido em 2012 com Lopez, para perceber que no Dakar tudo pode acontecer até ao fim.

“Foi um dia bastante positivo,” disse Rodrigues. “Andei bem, cheguei à frente da corrida quando os pilotos que iam à minha frente cometeram um erro na navegação, mas isso também me aconteceu quando falhei uma nota logo a seguir a passar um ‘way point’. A navegação era muito exigente, mas superei bem todas as dificuldades.”

Paulo Gonçalves esteve outra vez lançado ao ataque, conseguiu o 3.º melhor tempo do dia, e assim fecha agora o “top 10” no acumulado da prova. O piloto de Esposende ainda tem hipóteses de melhorar o posicionamento, pois Pizzolito e Verhoeven não estão longe, mas deve igualmente acautelar-se com o polaco Przygonski, 4m28s à sua retaguarda – enfim, assunto a decidir amanhã, no derradeiro sector selectivo. “Hoje ataquei forte, queria realmente alcançar uma vitória neste Dakar, mas para o final o terreno começou a ficar muito perigoso, com pedras por todo o lado, e por isso decidi ter calma,” explicou Gonçalves.

Mário Patrão também teve um desempenho positivo, sem correr riscos susceptíveis de pôr em causa a sua presença amanhã em Santiago do Chile. Nesta etapa foi 35.º, e quando uma vintena de pilotos ainda não tinha chegado ao acampamento, era creditado com o 32.º lugar na “geral”.

Pedro Bianchi Prata também prossegue rumo ao final da prova. Hoje obteve o 47.º tempo, e para já ocupa o 61.º posto na competição – e isso significa um posicionamento na primeira metade da pauta classificativa.

Classificação Geral: 1.º Cyril Despres (KTM) 41h37m18s; 2.º Francisco Lopez (KTM) a 8.15; 3.º Ruben Faria (KTM) a 14.41; 7.º Hélder Rodrigues (Honda) a 1h14.56; 8.º Javier Pizzolito (Honda) a 1h26.23; 11.º Frans Verhoeven (Yamaha) a 1h27.54; 10.º Paulo Gonçalves (Husqvarna) a 1h29.46; … 32.º Mário Patrão (Suzuki) a 6h04.39; … 61.º Pedro Bianchi Prata (Husqvarna) a 10h45.59; etc.

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui