Com a convicção de que dois sem-abrigo tinham assaltado a casa dos pais de um deles, o dentista, de 46 anos, e o técnico ao seu serviço, de 41, decidiram fazer o sequestro dos dois homens, a 20 de fevereiro deste ano, no Porto. Fingiram ser inspetores da Polícia Judiciária e utilizando crachás falsos, espancaram e torturaram as vítimas para que devolvessem o que alegadamente teriam roubado.

O dentista e o comparsa foram esta quarta-feira detidos pela PJ do Porto. O primeiro ficou em prisão domiciliária e o  técnico de próteses saiu em liberdade com apresentações diárias na PSP.

Ao realizar buscas à casa do cúmplice do dentista, a PJ encontrou diverso material normalmente utilizado pelas autoridades para a realização de escutas telefónicas e operações de vigilância. O detido alegou que trabalhava como detetive nas horas vagas, mas não consta qualquer registo do suspeito naquela atividade. Foi ainda encontrado um revólver, Magnum, .22 milímetros no seu domicílio.

Os dois sem-abrigo foram vítimas de violência extrema. Além de terem sido agredidos e torturados, com o intuito de revelarem onde estavam as joias e o dinheiro que teriam roubado, foram ainda ameaçados de morte. O dentista e o técnico pararam o carro junto à Ponte da Arrábida e ameaçaram que se aqueles não dissessem onde tinham os bens, seriam lançados ao rio. Durante a agressão mostraram um falso crachá de PJ.

 FONTE:CM
COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui