Foi baptizada de “Labirinto”, mobilizou quase duas centenas de inspectores, que um pouco pelo País fizeram 60 buscas, apreenderam centenas de documentos e prenderam 11 pessoas. A contabilidade é apresentada esta sexta-feira pelos jornais generalistas, que avançam mais alguns pormenores sobre as suspeitas de corrupção que recaem sobre vários altos quadros da Administração Pública na atribuição de vistos gold a empresários estrangeiros, sobretudo chineses e angolanos.

O Correio da Manhã adianta que a investigação também atinge o antigo director do SIS, que exerceu as funções de superpolícia entre 2005 e 2011 e que, se o processo não mereceu igual tratamento dos demais casos, é porque Antero Luis é um juiz-desembargador, o que exige que seja o Supremo Tribunal de Justiça (em vez do juíz de instrução Carlos Alexandre) a validar as escutas e eventualmente a emitir mandatos.

O jornal concretiza que Antero Luís terá sido escutado numa conversa telefónica com António Figueiredo (presidente do IRN e um dos detidos) a tentar vender um imóvel de um amigo do seu irmão. António Figueiredo terá prometido e arranjado compradores para o imóvel, que estaria para ser vendido pelo triplo do seu valor de mercado, embora o negócios tivesse acabado por não se concretizar.

Embora a Procuradoria Geral da República tenha garantido que não há membros do Governo sob suspeita, a imprensa sublinha esta manhã as relações estreitas que o ministro Miguel Macedo mantém com alguns dos suspeitos.

O Correio da Manhã explicita que, além de ter sido alvo de buscas no ministério, é amigo há mais de 30 anos de António Figueiredo (presidente do IRN) e viu a sua sócia de advocacia, Albertina Gonçalves (secretária-geral do Ministério do Ambiente) ser detida.

Esta é também a interpretação do Público, que adianta que Miguel Macedo e Luís Marques Mendes são sócios de Ana Luísa Figueiredo, filha de António Figueiredo, que também estará a ser investigada.

Além de ser sócia da empresa Golden Visa Europe, uma empresa que tem entre as suas actividades a emissão de vistos gold e onde se concentram as suspeitas, Ana Luísa Figueiredo é também sócia de uma outra sociedade, a JMF – Projects&Business. Esta empresa, por sua vez, será detida em partes iguais pela filha do presidente do IRN, por Luís Marques Mendes, Miguel Macedo e pelo gerente Jaime Couto Alves Gomes, diz o jornal, que não conseguiu chegar à fala com o ministro da Administração Interna.

Comissões atingem 10%

O Correio da Manhã adianta ainda que Manuel Palos, o director do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras que foi nomeado em 2005 para o cargo por António Costa, e que também se encontra detido, ficou conhecido na investigação como “10%”, numa alusão às comissões que cobraria para viabilizar a atribuição de determinados vistos a angolanos e chineses.

Os 11 detidos serão apresentados ao juíz de instrução criminal.

in Jornal de Negócios

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.