Ser empreendedor nos tempos de hoje é uma das saídas encontradas por profissionais das mais diversas áreas, que deparados com situações de desemprego se vêm a mãos com a necessidade de criarem o seu posto de trabalho. 

Hoje empreender não supõe apenas arriscar num negócio mas criar um conceito diferente que atraia o público pela novidade e inovação. O iPressGlobal decidiu procurar projetos com estas características, iniciados ao longo dos últimos dois anos. Descobrimos pessoas que enfrentaram a crise através da criação de negócios inovadores a partir de sonhos, da necessidade de emprego, do medo da estagnação.

Na cidade de Barcelos desvendámos os Óculos Resso um negócio iniciado por duas irmãs, inovador pela matéria-prima usada na fabricação de óculos. No Porto pudemos visitar o Urban Cicle Café, um projeto de Pedro Pacheco e Daniela Macedo, que se revela multifacetado. É um café, loja de bicicletas, oficina de manutenção e espaço propício ao convívio e à conversa sobre ciclismo urbano.                                        mercearia avóEm Aveiro, mais precisamente em Avanca encontrámos a Mercearia da Avó, um projeto de Jorge Matos e Marta Oliveira, que marca por ser um espaço inspirado nas antigas mercearias, misturando as marcas do mobiliário antigo com a sofisticação dos recursos e combinação decorativa.

Os óculos Resso é um projeto que surgiu de um gosto pessoal e acabou por se tornar um negócio, apoiado no conhecimento sobre trabalho em madeira do pai e do marido de Catarina Resso. Feitos os primeiros óculos para uso próprio, Catarina e a irmã decidiram avançar com a criação da empresa:“ Gostámos tanto do resultado que pensámos que poderia ser um bom projeto para desenvolvermos, pois é um produto bonito, fashion, ecológico e porque era um produto inexistente em Portugal.”

O Urbano Cicle Café segue na sequência de outro negócio ligado a bicicletas que nasceu do gosto de Pedro e Daniela pela Ciclismo Urbano. Depois de avançarem com uma loja online de peças para bicicletas e da criação de um marca de bicicletas portuguesa, quiseram tornam o seu negócio mais visível e próximo dos clientes. Abriram o primeiro Urban Cicle Café do Porto em Agosto de 2013.

Já a Mercearia da Avó surge do desemprego e de uma “volta ao passado” como nos explicou Marta Oliveira, gerente do espaço. “A Mercearia d’avó surge quando entrámos numa mercearia antiga, já fechada há mais de 2 décadas. Quando entrámos reparámos nos móveis empoeirados e vazios mas isso não evitou que voltássemos à nossa infância. Não resistimos e comprámos os móveis, tal como estavam. Tentámos ser o mais fieis possível ao original aquando a escolha das tintas e das diretrizes para o restauro. Tudo se foi construindo assim, com base nas nossas memórias de infância, completando com as memórias dos nossos pais.”

Mário Tavares - iPressGlobal-1251O que realmente marca estes três projetos é a sua inovação de conceito, que de algum modo esteve na base da confiança que fez o projeto passar do papel para a realidade. Este conceito de inovação está presente na mente dos novos empreendedores, Daniela do Urban Cycle Café refere mesmo que “ em tempo de crise não baste ser empreendedor, tem de se ser inovador”.

Estes empresários apostaram em conceitos inovadores, revelaram-se pessoas empreendedoras e não omitiram a atitude ponderada na decisão que tomaram de abrir um negócio com a atual conjuntura económica do nosso país. A opinião dos três empresários com que falamos é unânime, a situação de desemprego de um ou de ambos os sócios do negócio, não deixou grande margem para ficarem parados ou retidos no medo de não serem bem-sucedidos. Segundo Daniela Macedo “ ou era abrir o negócio, ou era abandonar o pais por falta de emprego na minha área de formação”.

No projeto Resso a situação verificada é semelhante, tal como nos contou a Catarina Um dos motivos que nos levou a criar este projeto, foi o facto de eu e a minha irmã estarmos desempregadas e sem perspetivas de emprego na nossa área (Eu sou professora e a minha irmã licenciada em Turismo). Embora seja difícil iniciar um novo negócio em Portugal nesta altura, decidimos aproveitar o conhecimento que o nosso pai e o meu marido possuem sobre a madeira e derivados.”

Também para Marta Oliveira e o Marido, a palavra crise fez com que se pensassem e repensassem na abertura deste novo negócio, no entanto e tal como nos referiram “ Não tínhamos outra hipótese, ou apostávamos num projeto e tentávamos “vir à tona” ou afundaríamos no dia em que as nossas “ancoras” não nos pudessem suportar mais. Com um filho de 3 anos e ambos desempregados era hora de começar a “remar” e com todas as forças que tivéssemos.”Mário Tavares - iPressGlobal-1253

Das palavras que escutámos, os projetos revelam evolução e boa aceitação por parte do público-alvo. Por parte dos criadores dos projetos o entusiasmo pelo desenvolvimento do empreendedorismo continua, todos têm novas formas ponderadas para continuar a dinamizar o seu projeto sempre de uma forma inovadora e dinâmica. O sucesso parece estar em quem empreende e inova, quem arriscar e coloca toda a sua energia positiva, ao serviço do seu projeto.

Reportagem: Mara Pereira – iPressGlobal
Fotografias: Mário Tavares – iPressGlobal
COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.