O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, advertiu hoje, em Seul, a Coreia do Norte contra a tentação de um teste de míssil, que seria um “enorme erro”.

“Se [o líder norte-coreano] Kim Jong-un decide lançar um míssil, quer seja através do mar do Japão ou em qualquer outra direção, vai escolher deliberadamente ignorar a totalidade da comunidade internacional”, declarou John Kerry, em conferência de imprensa, no início de uma visita à Ásia.

“Seria um enorme erro fazer isso porque isso ia isolar ainda mais o seu país”, considerou, acrescentando que a retórica bélica de Pyongyang é “inaceitável”.

O secretário de Estado norte-americano fez um novo apelo à China, único aliado de peso e apoio económico de Pyongyang. Os dirigentes norte-coreanos “devem preparar-se para viver de acordo com as obrigações e os critérios internacionais que aceitaram”, declarou.

No sábado, Kerry estará em Pequim, antes de seguir para o Japão.

A China tem “um enorme potencial para fazer a diferença nesta questão”, acrescentou.

O responsável norte-americano sublinhou que os Estados Unidos apoiam “a visão” do novo Governo da Coreia do Sul, a favor da construção de uma relação de confiança com o Norte.

“Todos devemos insistir na paz, nas possibilidades de reunificacão e num futuro muito diferente para” a península coreana, afirmou.

A visita de Kerry a Seul coincidiu com a do secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, que também pediu hoje a Pyongyang que ponha fim à campanha de ameaças.

Durante a campanha eleitoral, a nova presidente sul-coreana, Park Geun-hye, distanciou-se da intransigência que caracterizava a política do chefe de Estado cessante Lee Myung-bak, que suspendeu a ajuda humanitária a Pyongyang.

A chegada de Park à chefia da Coreia do Sul, no final de fevereiro, coincidiu com a brusca subida das ameaças de Pyongyang, desencadeadas por novas sanções da ONU.

Nas últimas semanas, a Coreia do Norte fez uma série de ameaças de ataques nucleares, na sequência das sanções da ONU – decididas após a realização do terceiro teste nuclear do país, em fevereiro – e das manobras militares conjuntas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul.

Tecnicamente, as duas Coreias continuam em guerra, uma vez que o conflito de 1950-53 não terminou com a assinatura de um tratado de paz.

NOTICIA LUSA
COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.