foto : telemedellin / Flick

A administração Trump está a considerar definir o género como uma condição biológica e imutável determinada pela genitália à nascença. Esta é a medida mais drástica do governo dos EUA para reverter o reconhecimento e a proteção de pessoas transgénero.

O governo de Barack Obama flexibilizou o conceito legal de género em programas federais, incluindo educação e saúde, reconhecendo o género em grande parte como uma escolha individual e não determinado pelo sexo atribuído no nascimento.

Agora, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos está a procurar estabelecer uma definição legal de género sob o Title IX, a lei federal de direitos civis que proíbe a discriminação de género em programas educacionais que recebem assistência financeira do governo, de acordo com o The New York Times.

O organismo argumentou que as agências governamentais tinham de adotar uma definição explícita e uniforme de género determinada “numa base biológica clara, fundamentada na ciência, objetiva e administrável”.

A definição proposta pela agência definiria o sexo como masculino ou feminino, imutável e determinado pelos órgãos genitais com que uma pessoa nasce. Qualquer disputa sobre o sexo de alguém teria de ser esclarecida com recurso a testes genéticos.

“Isso leva a uma posição em que o que a comunidade médica entende sobre os seus pacientes – o que as pessoas compreendem sobre si mesmos – é irrelevante porque o governo discorda”, disse Catherine Lhamon, que liderou o Departamento de Educação dos Direitos Civis do governo Obama.

A medida seria a mais significativa de vários esforços para excluir a população da proteção dos direitos civis e reverter o reconhecimento das pessoas transgénero. No ano passado, o governo tentou impedir que pessoas transgénero servissem nas forças armadasdo país.

Várias agências retiraram as políticas de Obama que reconheciam a identidade de género em escolas, prisões e abrigos para sem-abrigo. A administração Trump tentou ainda remover questões sobre identidade de género de uma pesquisa dos censos de 2020 e de uma pesquisa nacional de cidadãos idosos.

As pessoas transgénero têm medo”, disse Sarah Warbelow, diretora jurídica da Human Rights Campaign, que luta pelos direitos LGBT. “Em cada passo em que a administração teve escolha, optaram por virar as costas às pessoas transgénero”. Para Catherine Lhamon, a definição proposta “simplesmente nega a humanidade das pessoas”.

Depois de mais de um ano de discussões, a saúde e os serviços humanos estão a preparar-se para apresentar formalmente a nova definição ao Departamento de Justiça antes do final do ano. Se o Departamento de Justiça decidir que a mudança é legal, a nova definição poderá ser aplicada nos estatutos do Title IX e em todas as agências governamentais.

As decisões anteriores do Procurador Geral Jeff Sessions sobre as proteções transgéneras deram aos defensores dos direitos civis pouca esperança de que o departamento impeça que a nova definição seja aplicada.

A definição, se aplicada, seria mais sentida nos balneários e casas de banho. Além disso, iria erradicar o reconhecimento federal de cerca de 1,4 milhões de norte-americanos (cerca de 0,7% da população dos EUA) que optaram por dar-se como um género diferente do que tinham à nascença.

ZAP //

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.