A promotora do festival Marés Vivas garantiu que irá aplicar as recomendações do ministério do Ambiente para minimizar o impacto do evento e irá instalar um sistema de som capaz de anular o ruído no Estuário do Douro.

“O investimento no sistema de som será mais elevado este ano para anular na totalidade o ruído na reserva” Natural do Estuário do Douro, afirmou à Lusa Jorge Lopes, da PEV-Entertainment.

No dia em que foi conhecido o “Relatório de Progresso” da Comissão de Acompanhamento do Festival Marés Vivas, criada pelo Ministério do Ambiente, o responsável admitiu ter ficado “mais descansado com uma opinião técnica de que o evento não traz problemas à zona” onde ser irá realizar.

“Estamos mais descansados e vamos poder trabalhar mais afincadamente”, assinalou, garantindo que, por parte da promotora, a realização do evento em Gaia “nunca esteve em causa”.

A Câmara de Gaia divulgou ter sido confirmada pelo Ministério do Ambiente a “viabilidade da realização” do festival Marés Vivas junto ao Estuário do Douro, no futuro Parque Urbano de S. Paio, em Canidelo.

A realização do evento fica sujeita, contudo, a algumas medidas e “exigências que o festival terá de cumprir” para assegurar “uma coabitação com os valores ambientais e uma verdadeira valorização da importância da Reserva Natural Local do Estuário do Douro”.

Entre as medidas definidas para minimizar o impacto do evento no estuário do Douro estão a simulação do ruído, a colocação de mecanismo de absorção acústica, antecipação do evento em meia hora, a instalação de um limitador sonoro e a implementação de um plano de monitorização do ruído proveniente do festival.

Já ao nível do impacto causado pelos próprios festivaleiros, a comissão defende a criação de “zonas tampão” de acesso direto ao estuário, medidas que condicionem o acesso e integração de diversos meios de transporte para minimizar a utilização de veículos automóveis.

A preparar-se para a sua 14.ª edição, o Marés Vivas vai mesmo ter de mudar de lugar e deixar o anterior espaço, junto à Douro Marina, onde está prevista, e licenciada pelo anterior executivo, a construção de sete prédios que podem ter até cinco pisos.

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.