Sabe-se, actualmente, que as vacas e outro gado doméstico são responsáveis pela produção de grandes quantidades de metano, um gás com efeito de estufa.

Uma nova investigação britânica veio agora revelar que os dinossauros com dietas vegetarianas podem ter contribuído para o aquecimento global pré-histórico tal como as vacas contribuem para o aquecimento global contemporâneo.

“De facto, os nossos cálculos sugerem que os dinossauros poderão ter produzido mais metano do que todas as fontes modernas”, afirma Dave Wilkinson, da Universidade John Moores, em Liverpool, e autor do estudo ao Telegrah. O estudo foi publicado na revista científica Current Biology.

Os dinossauros saurópodes, que habitaram a Terra há cerca de 150 milhões de anos, poderão ter emitido mais metano para a atmosfera do que todas as fontes modernas combinadas. Embora o metano não permaneça tanto tempo na atmosfera terrestre como o dióxido de carbono (CO2), é 20 vezes mais eficiente a reter o calor que o CO2.

“Um modelo matemático simples sugere que os micróbios que viviam no corpo dos saurópodes podem ter produzido metano suficiente para ter um forte impacto no clima do Mesozóico”, acrescenta o cientista.

Para chegarem a esta conclusão, os investigadores compararam os saurópodes ao gado doméstico da actualidade. “As emissões globais de metano provenientes de saurópodes de tamanho médio, que pesavam cerca de 20 toneladas, corresponderiam a cerca de 472 milhões de toneladas por ano”, lê-se no estudo. Este valor é equivalente aos 500 milhões toneladas de metano que são emitidos para a atmosfera actualmente. Antes da Revolução Industrial, as emissões de metano correspondiam a 181 milhões de toneladas por ano.

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.