O chefe de equipa de Valentino Rossi, Jeremy Burgess, disse entre outras coisas, que a falha de Rossi na Ducati irá persegui-lo para o túmulo e não se mostra muito animado sobre seu regresso à Yamaha.

Burgess comentou: ” poderíamos ter feito melhor do que fizemos mas isso é algo que  vou levar para o túmulo porque falhamos os objetivos que tínhamos definido para estes dois anos. Não ganhamos uma corrida, não ganhamos um campeonato e não fomos capazes de garantir a continuidade de Valentino na Ducati. Eram estes os objetivos principais. Apenas fizemos alguns pódios, mas três em 35 corridas não é o que teríamos esperado e foi muito decepcionante. “

e acrescentou:. “acredito que com a chegada do Audi pode haver uma diferente abordagem em termos de metas a atingir.  O mais decepcionante é que Valentino não se via um ano mais na Ducati, entendo o seu ponto de vista de querer ser competitivo, mas a verdade é que não conseguimos o que queríamos e, desse ponto de vista, acho que a pressão iria passar para a Ducati no terceiro ano. “

Sobre o regresso à Yamaha, o engenheiro australiano disse: “Vamos voltar à Yamaha, mas a vergonha não é a palavra certa, Valentino saltou para um salva vidas e nós fomos com ele. Ben (Spies) saiu para a Ducati acompanhado do seu chefe de equipa,  mas há mecânicos , que eram bons mecânicos na Yamaha e foram demitidos. ” pessoas que têm hipotecas para pagar e famílias para cuidar e agora estão despedidos e à procura de trabalho. Esta situação não me  faz sentir bem…  tal como estão as coisas no MotoGP não há muitos postos de trabalho livres. É algo que não me encaixa bem. “

Nasceu numa fazenda nas Colinas de Adelaide, a sul da Austrália, em 16 de Abril de 1953, e cresceu á volta de motores, começou a conduzir aos 8 anos e comprou o seu primeiro carro aos 12 anos.

Três dias depois de deixar a escola, comprou a sua primeira mota, uma Suzuki T500 Cobra (1969). Entre 1972 e 1979, correu contra Jeremy Burguess_1Gregg Hansford, Warren Willing, Blake Kenny e Harry Hinton. A sua tenacidade levou à compra de uma Suzuki RG500, com a qual obteve enorme sucesso devido à fiabilidade da sua preparação e o projetou no mundo das corridas.

Jeremy Burgess, trabalhou como engenheiro-chefe com três campeões mundiais: Wayne Gardner, Mick Doohan e Valentino Rossi. Também foi um mecânico da equipa de Freddie Spencer quando Spencer ganhou o título mundial de 500cc em 1985. Burgess aprendeu a mecânica de Grande Prémio com os lendários engenheiros americanos, George Vukmanovich  e Erv Kanemoto para quem trabalhou nos seus primeiros anos.

As motas preparadas por Burgess foram vitoriosas na Suzuki com Randy Mamola, e na  Honda pelas mãos de Ron Haslam, Freddie Spencer, Wayne Gardner, Mick Doohan e Valentino Rossi também quando foi para a Yamaha com Valentino Rossi. Desde julho de 1980, estes pilotos ganharam 157 GP / MotoGP (até 2 de novembro de 2009) e um total de 14 Campeonatos do Mundo em que “JB” preparou ou cuja preparação supervisionou como chefe de equipa. Tendo Burgess alcançado mais de 280 pódios.

ler mais noticias motociclismo

MA1
Desporto motorizado de duas rodas **Por Mário Andrade**18/12/2012**
mandrade@ipressglobal.com

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui