O jornal conhecido pelos suas sátiras ao Estado Islâmico dispensou agora uma jornalista pelos seus artigos. Recorde-se que o ataque à redação francesa vitimou 12 pessoas.

O jornal satírico Charlie Hebdo está a ser acusado de hipocrisia depois de ter suspendido uma colunista, Zineb El Rhazoui, de 33 anos, por esta receber ameaças de morte devido aos seus artigos desafiantes sobre o Estado Islâmico.

A jornalista escrevia artigos a atacar o ISIS e foi a partir daí que começou a receber ameaças de morte. Inicialmente foi chamada à atenção pela direção, para que lhe fossem recordadas as suas “obrigações”, explica o Daily Mail. Após ter sido suspensa das suas funções, a colunista francesa acusa os seus empregadores de a castigarem por falar o que pensa, quatro meses após o ataque jihadista à redação, que vitimou 12 pessoas.

“Estou chocada em ver uma direção que recebeu tamanho apoio após o ataque mostre tão pouco aos seus empregados que sofrem ameaças”, afirma Zineb. Esta situação já chegou às redes sociais e tem provocado uma enorme controvérsia, onde muitos consideram esta suspensão “absurda”.

“Estou sob ameaça e a viver com os amigos e ainda me pensam em despedir. Bravo, Charlie”, disse em tom irónico. Contudo, um porta-voz do jornal já garantiu que o despedimento de Ziben El Rhazoui nunca fez parte dos planos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui