Foto: ZAP / Justin Lane / EPA  //

O quadro “Salvator Mundi”, que em novembro bateu todos os recordes ao ser vendido por 380 milhões de euros, pode não ser obra de da Vinci.

Em novembro, o quadro “Salvator Mundi” foi vendido pelo valor recorde de de 450 milhões de dólares, cerca de 380 milhões de euros. A pintura em causa representa Cristo com um globo de vidro na mão e foi apresentada como “o último da Vinci“, tendo sido confirmada com um dos menos de 20 quadros de Leonardo da Vinci que foram encontrados.

Agora, nove meses depois da compra, um dos principais estudiosos da obra de Leonardo da Vinci colocou em causa a autoria da pintura. O historiador de arte na Universidade de Oxford, Matthew Landrus, acredita que a maioria d quadro foi pintada por Bernardino Luini, um dos assistentes do artista italiano.

Desta forma, o historiador considera Bernardino Luini o “pinto primário” desta obra, isto porque da Vinci só terá participado em 5 a 20% do resultado final, garante. Ao jornal britânico The Guardian, os especialista disse que “ao olhar para as várias versões dos trabalhos dos estudantes de Leonardo, podemos ver que o Luini pinta tal e qual o trabalho que podemos ver no ‘Salvator Mundi’”.

Os principais pontos de contacto entre a obra e alguns trabalhos de Luini encontram-se na representação do ouro e das vestes.

“Além disso, a face de Cristo em ambas as pinturas tem uma modelação muito similar e as abordagens são muito parecidas. Os ombros de Cristo também são muito parecidos“, afirma o historiador, comparando o “Salvator Mundi” com o quadro “Cristo entre os doutores”, exposto na National Gallery, em Londres.

Ao famoso artista italiano atribui a sofisticação da técnica do sfumato presenta na pintura, isto é, “as suaves gradações de sombra que evitam contornos percetíveis ou mudanças dramáticas de tons”.

Na verdade, são vários os especialistas que têm dúvidas quanto à autoria do quadro. Michael Daley, diretor da ArtWatch UK, apontou a falta do “naturalismo e complexidade de postura” de da Vinci na pintura, considerando a teoria de Matthew Landrus “muito interessante”.

E a história dá-lhes razão. Segundo o Observador, em 1900, quando comprado por Sir Charles Robinson, “Salvator Mundi” foi, de facto, atribuído a Bernardino Luini.

ZAP //

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.