Todos os dias nos mais diversos contextos observo julgamentos de ação, pessoas que criticam o vizinho, o familiar, o amigo, o estranho que por si passa na rua. A imensa capacidade de julgar é duvidosamente generosa na boca dos que em contexto de empatia estão longe de passar da teoria à prática.

A forma como cada um, lida com o outro é curiosamente rica em diversidade, sendo de facto a origem da sua ação, relacionável com o maior ou menor grau de bem-estar consigo próprio. Quem está insatisfeito com a sua vida, age contra o mundo, avalia tudo e todos de forma negativa, sem colocar em causa o seu descontentamento e desconhecimento de si. A sua frustração é assim disfarçada com o julgamento constante. Há depois os que têm a ilusão de que sabem mais que os outros, logo o seu passatempo é “ganhar razão” em qualquer circunstância. Há os que perante as pessoas são amáveis e compreensivas e que nas costas mudam de opinião e os que não conseguem ir além das suas crenças e ideias preconcebidas.

Tudo na vida é uma aprendizagem, e apesar de boa parte da humanidade não ter consciência que toda a sua ação tem efeito boomerang, também há os que, muito embora não vivam a situação do outro, os conseguem respeitar. Quem crítica é criticado, quem respeita é respeitado.

Felizmente existem aqueles que começam a perceber que a crítica por si só, não tem vantagens, que o que criticamos pode ter uma boa base de sofrimento do outro.

Apesar da vivência de julgamento que o ser humanos aprende em sociedade ao longo do seu desenvolvimento, começamos já a perceber que muito do que criticamos no outro existe em nós. Perante tal realidade ou optamos por ajudar o outro aconselhando de forma positiva, melhoramos a nossa maneira de ser e respeitamos a postura dos que nos envolvem ou caímos no erro de avaliar a vida dos outros tendo como base a nossa.

As circunstâncias de vida de cada um, facilitam ações e comportamentos incompreendidos para os que vivem realidades diferentes.

Pergunto, não julgar é fácil? Não julgar é uma arte de valor humano, uma aprendizagem, que acontece a partir do momento em que conseguimos crescer em respeito e compreensão, numa evolução pessoal que valoriza o Ser em detrimento do querer…querer reprimir, desvalorizar ou rebaixar, elevando-se ao diminuir o outro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui