FOTOS: Nick Thompson / Flickr  //

Há milhares de anos que a localização do túmulo de Alexandre, o Grande é um mistério por causa de lutas governamentais e confusão arqueológica. Porém, agora, dois investigadores acreditam ter este enigma.

A localização do túmulo de Alexandre, o Grande é um dos maiores mistérios do mundo arqueológico. Porém, dois especialistas contemporâneos podem tê-lo desvendado.

Andrew Michael Chugg, autor de The Lost Tomb of Alexander the Great, e Liana Souvaltz, arqueóloga, acreditam que estão mais perto do que nunca de encontrar o túmulo de um dos maiores conquistadores da história – mas há alguns obstáculos que impedem o seu caminho.

Sobre o enterro de Alexandre, o Grande, há mais perguntas do que respostas. De acordo com a National Geographic, os historiadores modernos concordam que o antigo rei foi enterrado em Alexandria, no Egito.

Quando morreu aos 32 anos, os seus conselheiros enterraram-no inicialmente em Memphis, no Egito, antes de decidir sobre Alexandria. A sua sepultura tornou-se um local de culto, embora um período de terremotos e aumento do nível do mar ameaçasse cada vez mais a cidade. No entanto, sobreviveu e foi construído durante séculos.

Em 2019, Calliope Limneos-Papakosta, diretor do Instituto de Pesquisa Helénica da Civilização Alexandrina, conseguiu cavar sob a Alexandria moderna e fez um tremendo progresso na descoberta do túmulo do governante. “Esta é a primeira vez que as fundações originais de Alexandria foram encontradas”, disse o arqueólogo Fredrik Hiebert.

Embora tenha sido um salto promissor, o túmulo de Alexandre ainda não tinha sido encontrado. De acordo com a Ancient Origins, o corpo desapareceu quando o imperador romano Teodósio proibiu o culto pagão em 392.

No entanto, de acordo com o All That’s Interesting, Chugg e Souvaltzi podem ter chegado mais perto do que nunca. De acordo com o Express, Souvaltzi acreditava que o desejo de Alexandre de ser enterrado no templo do deus egípcio Amun Ran foi concedido, levando-a a solicitar permissão para escavar o Oásis de Siwa em 1984. As autoridades egípcias concederam-no em 1989.

Lá, encontrou estátuas de leões, uma entrada e uma sepultura helenística de 524 metros quadrados. Souvaltzi acreditava que as esculturas e inscrições, que se referiam ao transporte de um corpo, foram escritas pelo famoso companheiro de Alexandre, Ptolomeu.

Embora tenha sido anunciado em 1995 que a sepultura do antigo rei tinha sido finalmente encontrada, o governo grego pediu ao governo do Egito que interrompesse as escavações, à medida que as tensões entre os dois aumentavam. Souvaltzi continua a tentar retomar a escavação, já que as últimas descobertas de Chugg se tornaram promissoras.

No seu livro, Chugg explicou que a sepultura original de Alexandre transformada em templo perto de Memphis, no Egito, no complexo Serapeum, foi construída pelo faraó Nectanbo II. Guardada por esculturas de poetas e filósofos gregos, era a escolha óbvia para conter o túmulo de Alexandre.

Agora, 16 anos após a publicação do livro, novas evidências parecem apoiar essa aposta. Uma peça de alvenaria encontrada nas fundações de São Marcos em Veneza, Itália, corresponde inteiramente às dimensões do sarcófago de Nectanbo II no Museu Britânico, o que pode confirmar a localização do túmulo de Alexandre.

Como o corpo desapareceu em 392 e o túmulo de São Marcos apareceu ao mesmo tempo, os pontos estão a ser conectados. Chugg defende que o corpo de Alexandre foi roubado de Alexandria por comerciantes venezianos que o confundiram com São Marcos. Levaram.no para Veneza e veneraram-no como se fosse São Marcos na Patriarcale di San Marco da Catedral da Basílica.

Para Chugg, que disse que o fragmento encontrado em Veneza tem “exatamente a altura e o comprimento certos” para formar o revestimento externo do sarcófago na Grã-Bretanha, isso significa que os restos sepultados em Veneza são os de Alexandre, o Grande.

Alexandre, o Grande, que morreu na Babilónia em 323 a.C., terá sofrido da Síndrome de Guillain-Barré (GBS). Esse distúrbio auto-imune fez com que o conquistador apresentasse sintomas como dor abdominal e paralisia progressiva que eventualmente o deixaram incapaz de se mover. Apesar desses sintomas, permaneceu pleno mentalmente.

Durante vários anos, os especialistas interrogaram-se sobre a razão pela qual o seu corpo não se decompôs depois que ter morrido dias antes. Segundo a teoria mais recente, GBS fez com que parecesse morto, mas estava vivo e incapaz de contar a alguém antes de ser sepultado.

Enquanto outros historiadores acreditam que Alexandre morreu de febre tifóide, malária, envenenamento por álcool ou foi assassinado, a teoria defende que a estranha doença foi induzida por uma infecção por Campylobacter pylori – uma bactéria comum na época.

iPressGlobal // ZAP //

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui