Apesar das tréguas temporárias da chuva, uma pista com bastantes zonas húmidas e sujas fora das linhas de trajetória antecipavam um Grande Prémio emocionante, onde as ultrapassagens estariam bastante confinadas.

Miguel Oliveira partiu da sétima posição com mais um arranque cirúrgico e atacou de forma destemida a primeira travagem, arrematando quatro posições. Ainda antes da segunda curva, o piloto português reclamou nova posição, mostrando estar a conseguir um bom desempenho da sua KTM. Com os seis pilotos mais rápidos a conseguirem destacar-se, Miguel Oliveira envolveu-se, então, numa disputa acesa pelos lugares cimeiros, e a 18 voltas do final da contenda já pressionava o líder, Mattia Pasini, pelo comando da prova. O italiano recusou-se durante algumas voltas a ceder o lugar ao piloto de Almada, que ainda assim mostrou ter um ritmo superior, fazendo várias voltas mais rápidas. A 11 voltas da bandeira axadrezada, o piloto da Red Bull KTM Ajo conseguiu concretizar a ultrapassagem mas, pouco depois, um ataque questionável de Pasini obriga Miguel Oliveira a sair da trajetória para evitar o contacto, perdendo duas posições. O piloto português ainda conseguiu recuperar a liderança mas uma nova manobra do italiano – em tudo idêntica à anterior – voltou a levar o piloto luso a abrir a sua linha e a perder novamente duas posições. Com quatro voltas para o término da corrida e ainda a superar os seus tempos em prova, o piloto almadense ainda conseguiu reduzir a distância para a liderança, mas não o suficiente para a disputar, terminando com um sólido 3º lugar, o seu primeiro pódio da temporada.

Miguel Oliveira (Red Bull KTM Ajo):Acho que deixei demasiado “a porta aberta” em alguns momentos da corrida. Sabia que era uma corrida sem grandes zonas de ultrapassagem. Senti-me bastante forte, o meu ritmo e velocidade estavam lá, mas acho que talvez as minhas trajetórias não tenham sido suficientemente defensivas e também tive a infelicidade de ser tão empurrado para fora e perder muito tempo; a três voltas do fim, o [Xavi] Vierge também me passou e não houve muito que pudesse fazer. Ainda assim é um desfecho bastante positivo, levamos muitos pontos para casa, começamos a voltar à nossa performance normal e estou feliz por conseguir este pódio”.

O piloto de Almada soma assim 16 pontos aos 11 já alcançados no Qatar, no arranque da temporada de 2018, mantendo o 5.º lugar da classificação geral do Campeonato do Mundo de Motociclismo em Moto2.

A próxima (e terceira) ronda do Campeonato vai ter lugar em Austin, no Texas, entre 20 a 22 de abril, quando ainda ficam a faltar 16 provas para o desfecho da temporada.

Corrida GP Argentina:

  1. Mattia Pasini (Kalex) com 40min37,538s
  2. Xavi Vierge (Kalex) com 40min38,388s +0,850
  3. Miguel Oliveira (KTM) com 40min38,952s +1,414
  4. Lorezno Baldassarri (Kalex) com 40min42,716s +5,178
  5. Alex Marquéz (Kalex) com 40min42,969s +5,431

Classificação geral do Campeonato do Mundo de Moto2:

  1. Mattia Pasini (Kalex) 38 pontos
  2. Lorenzo Baldassari (Kalex) 33 pontos
  3. Francesco Bagnaia (Kalex) 32 pontos
  4. Xavi Vierge (Kalex) 28 pontos
  5. Miguel Oliveira (KTM) 27 pontos
COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui