foto: ALPHA ONE MEDIA / CHRISTOPHER REEVES

A história aconteceu nas Termas de Rio Hondo. O Gran Premio Michelin® de la República Argentina ficará no livro dos recordes como a primeira vitória na categoria rainha da Aprilia e de Aleix Espargaró (Aprilia Racing), assim, com esta vitória, todos os fabricantes da grelha de partida já venceram uma corrida de MotoGP™ e todos os pilotos da grelha têm agora uma vitória em Grande Prémio.

O GP da Argentina marcou também a 200ª partida de Espargaró na categoria rainha, com o palco montado para comemorar em grande estilo, foi longo o seu caminho das 125s às 250s e depois o MotoGP™, o regresso à Moto2™, passando pela era das CRT até o MotoGP™, o piloto de fábrica conseguiu finalmente  o merecido topo do pódio na classe rainha.

Mas não foi fácil esta vitória, com Jorge Martin (Pramac Racing), a liderar grande parte da corrida mas depois de uma boa replica ser forçado a contentar-se com o segundo lugar, conquistando seu primeiro pódio do ano. Alex Rins (Team Suzuki Ecstar) também conquistou seu primeiro pódio de 2022 e o primeiro desde Silverstone na temporada passada, o piloto da Suzuki esteve perto do duelo da frente, mas não o suficiente para atacar.

No regresso  Argentina, pela primeira vez desde 2019,  Martin fez um arranque  soberbo do meio da primeira fila para o holeshot. Pol Espargaró (Repsol Honda Team) também arrancou bem e subiu para a P3 , logo atrás do pole position e irmão mais velho Aleix Espargaró.

Os dois primeiros, Martin e Aleix Espargaró, começaram a afastar-se desde os primeiros compassos. A diferença de um segundo foi rapidamente alcançada, com Pol Espargaró e Rins lutando com Luca Marini (Mooney VR46 Racing Team) e uma série de pilotos mais atrás. O atual Campeão do Mundo Fabio Quartararo (Monster Energy Yamaha MotoGP™), entretanto, caiu para a P13 depois de partir da segunda fila, com o vencedor do GP da Indonésia Miguel Oliveira (Red Bull KTM Factory Racing) logo atrás seguido de Johann Zarco (Pramac Racing) , Takaaki Nakagami (LCR Honda Idemitsu), Enea Bastianini (Gresini Racing MotoGP™) e Francesco Bagnaia (Ducati Lenovo Team) todos em luta por melhores posições na parte inicial da corrida.

A diferença para os dois pilotos na frente estendeu-se rapidamente, inteligentemente  Aleix Espargaró não atacava  Martin e assim ganharam dois segundos para Rins e Pol Espargaró, com Joan Mir (Team Suzuki Ecstar) a chegar à P5 à frente de Marini, que por sua vez tinha Maverick Viñales (Aprilia Racing), Bagnaia e Brad Binder (Red Bull KTM) muito próximos.

A volta 10 de 25 viu Aleix Espargaró alargar na curva 1, perdendo 0,4s, com o homem da Aprilia a sair também largo na curva 5 – dois erros em cinco curvas custaram ao espanhol 0,9s. Isto deixou Rins com apenas um segundo de atraso, já que o piloto da Suzuki continuava a  diminuir a diferença e a liderança de Martin, a 15 voltas do final, era de pouco mais de um segundo. Surgiu então a resposta de Aleix Espargaró, com a volta mais rápida do Grande Prémio – 1:39.375, sendo 0,4s mais rápido que Martin.

Depois veio a queda de Zarco, e pouco depois foi a vez de Pol Espargaró, ambos os pilotos ok. O beneficiado foi Mir que chegou à P4, com o Campeão do Mundo de 2020 já estava a dois segundos do seu companheiro de equipe Rins o que o impediu de lutar pelo último lugar do pódio.

Á frente, Aleix Espargaró chegava junto de Martin, voltando tudo  ao ponto onde estava antes do duplo erro – 0,3s atrás de Martin – e o primeiro ataque veio a oito voltas do fim. A Aprilia saiu do cone de ar e chegou à frente, mas apenas por breves instantes. Duro nas travagens, Espargaró não conseguia parar a sua RS-GP e na saída da curva Martin regressava ao comando.

Na volta seguinte, foi um copiar/colar na curva 5. Ainda sem resultados positivos para Espargaró, que parecia ter um pouco de ritmo no bolso para Martin. Foi na terceira tentativa na curva 5, a Aprilia conseguiu o objetivo de liderar a corrida.

A quatro voltas e meia do final, a Aprilia e Espargaró lideravam. Faltavam três, Martin não baixou a toalha para Espargaró e, Rins estava agora a apenas 0,8s. Quando faltavam duas voltas a diferença entre os dois primeiros era de apenas 0,2s  com  Rins a pouco menos de um segundo atrás. Tudo ainda podia acontecer, como são maravilhosas as corridas de MotoGP.

A caminho para a última volta, porém, parecia que o palco estava montado. Espargaró conseguiu dar um pouco mais de si e ganhou cerca de meio segundo de vantagem e espaço para respirar para fazer uma volta impecável, para o #41 e para a Aprilia –  apenas 4,8 km de asfalto os separava do sonho da primeira vitória. A curva 5 foi negociada com segurança assim como a curva 7. As três curvas restantes rapidamente se transformam em duas. A curva 13 foi realizada com toda a segurança, com nenhum ataque de Martin até que finalmente chegou para a RS-GP a última curva para a esquerda e  Espargaró passou  a bandeira de xadrez  na P1 pela primeira vez, dando à Aprilia sua primeira vitória na categoria rainha e escrevendo mais uma página no livro de recordes.

Logo atrás, Martin não teve resposta no final para Espargaró, mas o segundo lugar deram-lhe 20 pontos fundamentais na luta pelo Campeonato do Mundo depois de duas desistências no Catar e na Indonésia. Rins completou o pódio com a sua primeira visita ao pódio em 2022 e, no final, Mir estava a apenas 0,5s de seu companheiro de equipe e do pódio. Isto colocou o Team Suzuki Ecstar no topo da classificação de equipas, com a Ducati no topo dos construtores graças a Martin. Aleix Espargaró, por sua vez, lidera pela primeira vez o Campeonato de Pilotos.

Bagnaia fez uma recuperação impressionante este domingo ao classificar-se na P5, o italiano levou a melhor sobre Brad Binder. Viñales desfrutou de longe o seu melhor fim de semana com a Aprilia ao levar para casa o sétimo lugar, à frente do ex-companheiro de equipe Quartararo. O atual campeão terminou numa solitário P8 no final.

Marco Bezzecchi (Mooney VR46 Racing Team) aumentou a sua aposta como rookie com um impressionante nono lugar e assumiu a liderança na luta pelo Rookie of the Year, o italiano também venceu os compatriotas Bastianini que perdeu a liderança na classificação de pilotos depois da P10, e  Marini que terminou na P11.

Takaaki Nakagami (LCR Honda Idemitsu) defendeu-se de Oliveira na luta pela P12, com Jack Miller (Ducati Lenovo Team) mais atrás, numa modesta P14. Alex Marquez (LCR Honda Castrol) conquistou o ponto final na P15.

A História foi feita e festa iniciada, temos agora mais um vencedor na classe rainha de Grande Prémio na era moderna dos motores de 4 tempos Aleix Espargaró  e Aprilia.Ícone Validada pela comunidade

Classificação Corrida MotoGP™ ;        Classificação  Geral Pilotos MotoGP™

Classificação Corrida Moto2™   ;        Classificação Geral Pilotos Moto2™

Classificação Corrida Moto3™   ;        Classificação Geral Pilotos Moto3™

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui