foto: ALPHA ONE MEDIA / CHRISTOPHER REEVES

Os testes de pré-temporada de MotoGP™ 2022 terminaram, com 21 pilotos, separados  por apenas 0,855 antes do GP do Qatar, estando em perspectiva  para 2022  mais uma deliciosa temporada .

Depois de três dias na Indonésia, o foco muda agora para o GP do Qatar de inicio da temporada. O piloto mais rápido no Mandalika Test é Pol Espargaró (Repsol Honda Team). O espanhol marcou 1:31:060 no Dia 3 batendo o atual Campeão do Mundo Fabio Quartararo (Monster Energy Yamaha MotoGP™) por apenas 0,014, com Luca Marini (Mooney VR46 Racing Team) a completar os três primeiros graças ao seu melhor tempo no dia 2 no novíssimo e espetacular Circuito Pertamina Mandalika.

HONDA

À medida que a pré-temporada foi avançando, a HRC foi melhorando. Uma RC213V novinha em folha e muito diferente foi trazida pelos gigantes japoneses que parecem em boa forma. Pol Espargaró liderando em Mandalika vão dando uma boa dose de confiança com o #44 a fazer 38 voltas no último dia, terminando o teste com as seguintes palavras  ” nunca andei tão rápido “

A mesma positividade foi ouvida por Marc Marquez (Repsol Honda Team). O oito vezes Campeão do Mundo termina o Mandalika Test na P9 como a segunda Honda, a 0,4 de Espargaró. O progresso foi diário em Mandalika, embora Marc Márquez tenha admitido que ainda não tem a “sensação especial” com a moto por isso não atacou no último dia.

Alex Márquez (LCR Honda Castrol) fez mais de 75 voltas e o bicampeão mundial ficou em 12º na geral, a meio segundo do P1, concentrando-se em corridas longas e na aerodinâmica. Takaaki Nakagami (LCR Honda Idemitsu) testou dois chassis completamente diferentes no sábado à tarde e no domingo, terminando na P17 na classificação combinada e a 0,6 do topo. 

YAMAHA

Fabio Quartararo (Monster Energy Yamaha MotoGP™) terminou em P2 na Indonésia com um ataque tardio, mas a falta de melhorias na velocidade máxima permanece preocupar. O francês, no entanto, expressou sua alegria com a sua velocidade com pneus usados, mas havia algo que não estava a funcionar com os pneus novos e macios. “Precisamos saber por quê”, disse no final do dia 2. Mas no dia 3, o  #20 encontrava-se  de bom humor, apesar de ele e a equipa esperarem mais do novo motor.

O Teste Mandalika de Franco Morbidelli (Monster Energy Yamaha MotoGP) viu o italiano reivindicar o 5º lugar nas tabelas de tempos depois do ataque no último dia, ficando a 0,3 da P1. Morbidelli explicou no final do dia 2 que usa muito a traseira da moto, o que significa que tem pouca confiança na frente. No dia 3, o #21 modificou a frente da mota

DUCATI

Luca Marini (Mooney VR46 Racing Team) continua como o melhor piloto Ducati  graças ao seu tempo no Dia 2, com Francesco Bagnaia (Ducati Lenovo Team) o mais próximo da casa de  Borgo Panigale na P6  a 0,376 do topo. Johann Zarco (Pramac Racing) completou os dez primeiros, Enea Bastianini (Gresini Racing MotoGP™) ficou na P13 com a  GP21 e Jorge Martin (Pramac Racing) terminou o teste em 16º.

Jack Miller (Ducati Lenovo Team) fez a P18, mas o feedback da maioria dos pilotos foi francamente positivo. Miller caiu na  sua simulação de corrida, assim como  Martin e Zarco, todas as quedas sem consequências fisicas para os pilotos.

APRILIA

Foi um teste de pré-temporada de enorme sucesso em Mandalika para Aleix Espargaró e Maverick Viñales (Aprilia Racing), que continuaram seu bom trabalho em Sepang. Uma afinação fantástica da RS-GP e melhorias gerais na mota fazem com que os dois pilotos estejam no bom caminho para o GP do  Qatar, com ambos a fazerem uma simulação de corrida de 20 voltas no último dia.

A Aprilia testou dois chassis diferentes que eram quase idênticos a olho nu. Com Alex a  terminar na P4 e Viñales na P8 são sinais positivos para a casa de Noale depois  três dias de testes em Mandalika.

SUZUKI

Para o Team Suzuki Ecstar, foi mais um dia de obstáculos – pelo menos para um lado da box. O campeão de MotoGP de 2020, Joan Mir, começou a sentir-se mal de manhã e acabou por voltar para o hotel com suspeita de intoxicação alimentar,terminou os treinos  nos tempos combinados na P12.

Joan Mir(Team Suzuki Ecstar): “Estas coisas aconteceme no final tenho algumas boas conclusões do primeiro e segundo dia. Acho que vamos chegar bem preparados para a primeira corrida no Qatar apesar de todos os inconvenientes que encontramos durante o último dia aqui em Mandalika.”

O colega de equipa Alex Rins foi mais uma vez o primeiro a entrar na pista no dia 3, e seu plano para o último dia era concentrar-se em testar o chassi reforçado com carbono da casa de Hamamatsu. No final dos testes, o #42 era P7 geral depois  de realizar 46 voltas no Dia 3.

KTM

No último dia, a KTM testou uma nova aerodinâmica e havia um escape com a cauda modificada. Brad Binder terminou o teste como o melhor piloto da Red Bull KTM Factory Racing na P11, 0,514 da P1 depois de realizar 68 voltas. O seu companheiro de equipa Miguel Oliveira foi um dos últimos em pista no Dia 3, e o piloto português ficou  a 0,560 e na P15 no final dos treinos. A missão de pré-época da fábrica austríaca era encontrar uma boa base usar e desenvolver ao longo da temporada, comparando as peças novas com as peças de 2021.

Brad Binder (Red Bull KTM Factory Racing) “Até agora tudo bem. Encontramos algumas coisas que funcionam bem para nós e melhoramos nosso pacote do ano passado. Ainda precisamos trabalhar com certeza e há trabalho a ser feito para dar o próximo passo que precisamos, mas até agora tudo bem.” O próximo foco? “A saída das curvas e a aderência traseira em geral.”

O rookie  Raul Fernandez (Tech 3 KTM Factory Racing)  terminou o teste na P22  alguns décimos à frente do companheiro de equipa e campeão de Moto2 ™ de 2021 Remy Gardner. Fernandez, após uma queda no dia 2, ficou de fora a maior parte do tempo no domingo, por outro lado, Gardner continua a pilotar com limitações devido à sua lesão no pulso partido nos treinos de pré-época.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui