Nem no melhor dos seus sonhos Marc Márquez imaginou que com apenas 20 anos e 63 dias se tornasse o piloto mais jovem da história a vencer uma prova do Campeonato do Mundo de MotoGP, arrebatando o registro de Freddie Spencer, que venceu em Spa 1982, com  20 anos e 196 dias. O que mais uma vez prova que os records foram feitos para serem batidos.

Mas se sonhar é bonito, concretizá-lo é melhor ainda, dominou o seu companheiro de equipa e colocou desde já em causa a hierarquia na equipa .

O plano de Marc Márquez estava traçado na sua  cabeça, quando percebeu nos testes privados em Austin, como noticiamos,  que a Honda era imbatível nesta pista, e que ele também se sentia como um peixe na água, ao bater de forma clara todos os opositores, incluindo o seu primeiro rival e companheiro de equipa Dani Pedrosa.

Marc Márquez fez a pole position, numa única volta rápida, sem mudar para pneus moles, o que deixou em alerta todos os outros pilotos.

Na corrida, quando todos os pilotos montaram pneu duro á frente e mole atrás, Márquez, contrariou tudo e todos, e usou um pneu duro também atrás, táctica que na fase inicial da corrida lhe poderia fazer perder terreno, mas caso aguentasse o ritmo inicial, e aguentou…, com mais ou menos escorregadelas…. e assim, ganhou a corrida, de forma limpinha… e faz  história.

O guião da  corrida estava escrito, pelo menos nas suas primeiras voltas. Dani Pedrosa voltou a ser o mais rápido na partida, saiu forte e tentou fugir do seu companheiro de equipa, mas  Marc não o perdeu de vista, conseguiu acompanhar Pedrosa mesmo com os pneus duros, deixando este comandar a corrida.

Jorge Lorenzo, falhou a partida, devido a ter deixado derrapar a roda traseira, e assim deixou fugir as Hondas de Dani e Marc, e também a de Stefan Bradl, que no 1ª parcial rodava em terceiro lugar. Mas Lorenzo, não é homem para desistir ás primeiras dificuldades e,  ainda antes do final da primeira volta, Lorenzo e Cal Crutchlow passam o alemão.

Jorge ataca ao máximo para alcançar os pilotos Oficiais Honda dando a impressão visual, de que se poderia aproximar dos dois, mas na terceira volta, já levava segundo e meio de atraso  de Dani e Marc . A corrida seria  um duelo entre os dois homens do HRC.

Dani seguia na frente com um ritmo elevadíssimo,  mas Marc acompanhava-o sem qualquer dificuldade. As voltas foram passando, com Pedrosa a carregar com  todo o desgaste físico de comandar a corrida. Marc parecia confortável atrás, a estudar os movimentos do seu companheiro, e a estudar quando e onde o iria passar.

Lorenzo seguia em terceiro isolado, depois de se ter separado de Bradl e Crutchlow, por esta ordem, e após  o inglês ter cometido um erro que o fez sair de pista,  o alemão não perdoou….

Carl no entanto viria a corrigir o erro e a  recuperar o quarto lugar, mas já longe de ter qualquer hipótese de discutir o pódio com Jorge  Lorenzo.

Bautista, chegou a rodar em quinto lugar, mas não aguentou o ritmo e na  sexta volta, foi passado por Valentino Rossi, que o contrário do que aconteceu à duas semanas no Qatar, não conseguiu recuperar posições, devido a problemas com os travões da frente na sua Yamaha .

As voltas passavam e a superioridade das Honda HRC era um facto, com as hipóteses de lutar vitória apenas para o seu duo de pilotos, a vantagem para Lorenzo era enorme.

Na volta 12, quando Marc desferiu o ataque, aproximou-se de Dani ao máximo na saída das curvas enlaçadas do circuito e na seguinte meteu-se por dentro, sem piedade, ultrapassou o companheiro de equipa e, começou a puxar.

Durante as quatro voltas seguintes, as coisas pareciam que tinham mudado, agora era Dani que estudava Marc, para ver onde e quando o podia passar… a corrida estava ao rubro e tudo levava a crer que  o vencedor apenas seria conhecido na linha de chegada em mais um final épico…

Mas não aconteceu assim, a  três voltas do final Pedrosa cometeu um erro e perdeu um segundo, uma  prenda para Márquez que,   não abrandou por um momento o ritmo, e continuou a puxar, tornando impossível a recuperação para  Pedrosa.

Foi uma corrida planeada à milésima, por Márquez e o seu chefe de equipe, Santi Hernández, depois dos pré-testes em Austin, sem falhas, para uma vitória histórica !!!

Isto foi apenas o inicio, tenham medo … muito medo ….

Desporto motorizado de duas rodas **Por Mário Andrade e António Vermelho **23/04/2013** mandrade@ipressglobal.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui