foto: ALPHA ONE MEDIA / CHRISTOPHER REEVES

Ao contrário do previsto, não houve chuva no primeiro dia do Grande Prémio da Tailândia, em Buriram. E, precisamente devido às previsões, e sem água na pista, a FP1 foi muito mais movimentada do que a FP2, já que poderia ser a única sessão seca do dia e, talvez, de todo o grande prémio, o que acabou por não acontecer, pelo menos nesta sexta-feira…

Deste modo, os pilotos procuraram logo no início os melhores tempos para garantirem de imediato uma teórica presença no Q2, o que significou algumas quedas, como aconteceu, por exemplo, com Marc Marquez e Miguel Oliveira no início da FP1, duas quedas sem consequências físicas e estragos na moto.

Com os pneus macio à frente e médio atrás, Miguel Oliveira regressou dos boxes após o susto, mas a verdade é que nunca encontrou o ritmo desejado e jamais ocupou o Top 10 da sessão após a queda, o que fez com que regressasse às boxes.

Na terceira vez em pista, e já com médios à frente e macios atrás, Miguel Oliveira alcançou a sua melhor marca até então, com 1m31s233. Mas o Falcão alcançou uma nova melhor volta e registou 1m30s756, ocupando o sétimo lugar da sessão. O melhor tempo foi alcançado por Marc Marquez, com 1m30s523.

Na FP2, e novamente sem chuva, tivemos uma sessão mais calma, já que os pilotos preferiram testar alguns aspectos das suas motos antes do já tradicional time attack nos 7 minutos finais da sessão. Miguel Oliveira alcançou o seu melhor tempo na última volta, com 1m30s608, oitavo melhor tempo do dia e, portanto, teoricamente na Q2, algo bastante real se, no sábado… chover.

melhor tempo do dia foi alcançado por Johann Zarco, com 1m30s281 (1m30s985 na FP1). De referir que, no Top 10, apenas cinco pilotos melhoraram na FP2 os seus tempos em comparação com a FP1.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui