Arqueólogos espanhóis desenterraram uma múmia com três mil anos, em “muito boa condição”, na antiga cidade egípcia de Luxor.

Foi assim que o Ministério das Antiguidades do Egipto anunciou a descoberta, evidenciando as boas condições de preservação do sarcófago encontrado próximo de um templo construído na era do Faraó Tutmés III.

Uma equipa de arqueólogos espanhóis está a fazer escavações no local desde 2008, numa zona com uma “riqueza arqueológica extraordinária”, como salienta a líder da pesquisa, Myriam Seco Alvarez, em declarações ao jornal espanhol El Mundo.

A investigadora destaca que já foi possível encontrar “materiais e informações” de várias dinastias de Faraós e que as escavações estão a revelar um “templo de proporções faraónicas”, “com 100 metros de fachada e 150 metros de comprimento”.

“O templo está a surgir do nada. É como se voltasse à vida”, realça a arqueóloga.

Foi neste contexto que foi encontrada a múmia de três mil anos, que pertencerá ao nobre Amenrenef, um servo da casa real de Tutmés III.

“Era uma personagem importante na corte que se ocupava de tudo. Um assessor da Casa Real”, explica Alvarez no El Mundo, apontando que a múmia estava envolta em gesso e em linho e dentro de um sarcófago de madeira exuberantemente colorido.

Datado dos Séculos XI ou X a.C., entre os anos 1075 e 664, o sarcófago está adornado com vários símbolos religiosos do antigo Egipto e a descoberta está a ter repercussão mundial, do Ocidente à Al Jazeera.

A millennia-old mummy discovered in “very good condition” near the southern Egyptian dating from between 1075-664 BC http://aje.io/67rc 

Photo published for Millennia-old mummy found in Egypt tomb

Millennia-old mummy found in Egypt tomb

Spanish archaeologists discover mummy at least 2,500 years old in “very good condition” near Luxor in southern Egypt.

aljazeera.com

“O sarcófago estava comido pelas térmitas. Apenas se conservam os pés e a cara. Contudo, dentro encontramos uma cartonagem muito frágil, mas que mantém uma decoração muito colorida. É uma verdadeira preciosidade“, conta Alvarez ao jornal El Mundo.

A arqueóloga explica que “tem desenhados todos os elementos simbólicos da religião egípcia”, nomeadamente “símbolos solares, como o disco solar ou a cobra; as deusas protectoras Isis e Neftis com as suas asas abertas; os quatro filhos de Hórus encarregados de guardar as vísceras do defunto ou os falcões protectores também com as asas abertas”.

E depois do desafio de retirar o sarcófago intacto de um “nicho” muito reduzido, os investigadores vão agora analisar o seu interior, recorrendo a técnicas de raios-X para apurar o verdadeiro estado da múmia, e nomeadamente se carrega jóias ou outros artefactos.

ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui