foto : (dr) Jae Choul Yu

No futuro, as janelas vão produzir energia renovável graças a uma célula solar semitransparente, desenvolvida por investigadores da Universidade Monash, na Austrália.

Uma equipa de engenheiros desenvolveu uma célula solar semitransparente capaz de oferecer um nível viável de eficiência. De acordo com a equipa, dois metros quadrados destas células solares de perovskita (PSCs) seria suficiente para gerar tanta eletricidade quanto um painel solar padrão: cerca de 140 watts por metro quadrado.

Janelas de células solares são um projeto que tem merecido a atenção dos investigadora há já vários anos, mas ainda nenhuma equipa havia conseguido atingir o nível ideal em termos de eficiência, estabilidade e custo.

Segundo Jacek Jasieniak, da universidade australiana, “a energia solar na cobertura tem uma eficiência de conversão entre 15 e 20%“. “As células semitransparentes têm uma eficiência de conversão de 17% e transmitem mais de 10% da luz que entra. Há muito tempo é um sonho ter janelas que geram eletricidade, e agora isso parece ser possível.”

Science Alert explica que a base deste trabalho é a substituição de um componente essencial da célula solar (Spiro-OMeTAD) por um polímero especialmente desenvolvido, baseado num semicondutor orgânico, que aumenta a estabilidade, que é muito importante quando se trata de materiais que estão expostos ao Sol durante um dia inteiro.

No entanto, os cientistas afirmam que tem de haver um equilíbrio entre a opacidade e a eficiência: se quisermos ter em casa uma janela perfeitamente “limpa”, não conseguiremos obter a máxima quantidade de eficiência energética.

“Existe uma troca. As células solares podem tornar-se mais ou menos transparentes. Quanto mais transparentes forem, menos eletricidade geram, e essa característica tem de ser considerada pelos arquitetos”, explica Jasieniak, autor do artigo científico publicado na Nano Energy.

Apesar deste grande avanço, é provável que esta tecnologia demore uma década até ser comercializada. A equipa refere que os grandes edifícios com vidraças enormes serão, muito provavelmente, os primeiros beneficiários.

“Estas células solares significam uma grande mudança na maneira como pensamos nos edifícios. Até agora, projetados no pressuposto de que as janelas são fundamentalmente passivas. Agora, elas produzirão ativamente eletricidade”, rematou o engenheiro.

ZAP //

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui