Para muitos, não é novidade que o álcool afoga as tristezas, mas só agora surgiu a prova científica de que o álcool produz efectivamente as mesmas mudanças neuronais e moleculares que os medicamentos eficazes para depressão.

Através de testes com animais, um grupo de cientistas norte-americanos observou as mesmas mudanças na química cerebral e as mesmas reações dos neurónios em contato com álcool ou com medicamentos antidepressivos.

Segundo os investigadores, uma simples dose de álcool bloqueia os receptores NMDA (proteínas associadas com a aprendizagem e a memória) e atua com a proteína FMRP – cuja falta está relacionada com o autismo – para transformar o ácido GABA num estimulador da atividade neural.

O estudo, publicado na Nature, revela que essa mudança bioquímica causa um comportamento antidepressivo que dura, pelo menos, 24 horas.

O estudo foi realizado por investigadores da Wake Forest School of Medicine, nos EUA, e comprova que o álcool funciona da mesma forma que os antidepressivos de ação rápida.

“Devido à grande ligação entre os problemas depressivos e o alcoolismo, existe a hipótese da auto-medicação, sugerindo que indivíduos depressivos podem começar a beber como forma de tratar a depressão”, afirmou a autora principal do estudo, Kimberly Raab-Graham.

“Agora, temos dados bioquímicos e comportamentais que vêm suportar essa hipótese”, destacou.

Nos últimos anos, as doses únicas de antidepressivos rápidos – tais como a cetamina – provaram ser capazes de aliviar os sintomas depressivos até duas semanas, mesmo em indivíduos que são resistentes aos antidepressivos tradicionais.

No entanto, os investigadores alertam para o perigo de o consumo de álcool se tornar viciante.

“Definitivamente há perigo na auto-medicação com álcool. Há um limite entre o consumo que ajuda e o consumo que causa danos, e o uso repetido da auto-medicação transforma-se num vício”, sublinhou Raab-Graham.

Apesar dos resultados promissores deste estudo, os investigadores alertam que estes não devem, de modo algum, incentivar indivíduos com depressão a recorrer ao álcool como forma de tratamento.

BZR, ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.