Um amigo meu publicou na sua página do Facebook uma relação de anomalias registadas no nosso querido País, que deveriam encher de vergonha os governantes e fazer com que eles, rapidamente, as tentassem corrigir. Transcrevo-as, com prazer, para chamar a atenção dos leitores para o estado anedótico a que Portugal chegou, o que me causa transtornos de ordem psicológica, por me considerar um patriota quase patológico. Isso deve-se ao fato de ter vivido muitos anos nos Estados Unidos e Inglaterra, pois penso que o patriotismo se agudiza com o tempo que passamos fora da Mãe-pátria. Desde já peço desculpa pela longa lista que se segue.

Começarei por referir uma anomalia que resulta de possíveis transgressões que terei cometido quando em determinada altura, para complementar as parcas pensões passei, com outros indivíduos em idênticas circunstâncias, a prestar serviços na recepção de um condomínio na avenida Almirante Reis. Fiscalizado pela ACT, levantaram-me um auto por falta de horário de trabalho e não possuir seguro contra acidentes de trabalho. No caso em apreço não existiam nem patrão nem empregados, já que estávamos os três indivíduos em pé de igualdade- complementaridade das magras pensões de reforma. Por outro lado, no que concerne o seguro, se alguém o teria que efetuar, seria a administração do condomínio.

Em dado momento recebo uma notificação para pagar uma coima de cerca de € 900,00, que contestei. Também fui notificado para o julgamento, em cujo documento se dizia não ser obrigada a comparência. Entretanto recebi uma outra notificação que dava conta de que teria que pagar aquela referida quantia, acrescida de custas e juros e se findo o prazo o não fizesse, penhorar-me-íam bens até ao montante de € 1.200,00. Fiz um requerimento em que pedia que esta coima fosse apensada ao processo em fase de julgamento, que foi indeferido, pois afirmava-se que primeiro teria que pagar e depois é que seria apreciado!

Chegados ao dia do julgamento- 27 de Fevereiro, às 14 h- apresentei-me pontualmente e para espanto meu, a Senhora Juíza, corroborada pelo Senhor Procurador, estranharam que me tivesse apresentado sem ser acompanhado de um advogado. Disse-lhes pensar não ter cometido nenhum crime que o justificasse e que além disso implicaria dinheiro que não abunda. Aqueles dignos magistrados, entenderam zelar pelos meus interesses e, por proposta do Sr. Procurador, a Srª. Juíza oficiou à Ordem dos Advogados para que esta, nomeasse um causídico para me proteger… Isto, aqui descrito em síntese, antecede a enorme lista cuja leitura vos sugiro, para aferirmos até que ponto as pessoas que têm conduzido este País, necessitariam de tratamento do foro psiquiátrico!

Assim, vejam só esta listagem:- Um jovem de 18 anos recebe do Estado 200 € para não trabalhar; um idoso recebe de reforma 236 €, depois de uma vida de trabalho; um marido oferece um anel à mulher e tem de declarar ao fisco tal doação; o mesmo fisco penhora, indevidamente, o salário de um trabalhador e demora 3 anos a corrigir o erro; nas zonas problemáticas da Grande Lisboa, existe um polícia para cada 2.000 habitantes.

financas_irs_dinheiro

O governo diz não precisar de mais! Um professor é agredido por um aluno e o governo diz que isso é resultado de causas sociais; um café em qualquer rua é encerrado por não ter WC para homens, mulheres e empregados. No Forum Montijo o WC da Pizza Hut fica a 100 me não tem lavabos; o governo incentiva as pessoas a procurarem energias alternativas e depois multa quem coloca outros produtos nos tanques dos veículos; nas prisões distribuem gratuitamente seringas por causa do HIV, mas proíbem consumir droga nesses estabelecimentos; se um jovem de 14 anos matar um adulto, não tem idade para responder em tribunal, mas se um outro de 15 anos levar uma bofetada do pai, por lhe ter furtado dinheiro para comprar droga, o pai responde por violência doméstica; uma família a quem a casa ruiu e não tem dinheiro para a consertar, o Estado não a ajuda. Seis presos que mataram e violaram idosos, detidos numa cela para 4, sem WC, por não estarem “a viver condignamente”, apresenta-se queixa contra Portugal ao Tribunal Europeu; os militares que combateram em África, porque a isso foram obrigados, não lhes são reconhecidos quaisquer direitos.

Entretanto o Governo elogia as tropas portuguesas que estão no Kosovo, Afeganistão ou qualquer outro país; começa-se a descontar em Janeiro para o IRS e só se vai receber algum eventual excesso em Agosto do ano seguinte; não se paga às Finanças atempadamente e somos punidos com coimas e juros de mora: fecha-se uma marquise e considera-se uma obra ilegal. Constrói-se todo um bairro clandestino e ninguém vê! Se um filho sem capacidade para estudar é colocado pelo pai na sua oficina, estar a ser praticada exploração do trabalho infantil. Se se tratar de uma telenovela, uma criança de 7 anos já pode participar em gravações com duração de 8 horas; numa farmácia paga-se por uma seringa 0.50 € para injetar uma criança. Se fosse para um drogado era de borla!

A lista poderia continuar, indefinidamente, mas creio já chegar, pois eu já estou arrepiado. Agora resta-me ter esperança de que este ou outro qualquer governo que surja, seja capaz de arrepiar caminho e conduzir o País na rota mais condicente com o Século XXI.

DG

Opinião Global**Por Dominick George**16/03/2013
dominick.george@ipressglobal.com |

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui