foto : Chris Slupski / unsplash

Não há dúvida de que parte da atração está na estética das redes sociais, nomeadamente o Instagram. Mas a sua popularidade também se resume a vários “benefícios” da saúde atribuídos ao carvão vegetal. Em particular, aqueles que o classificam como um “desintoxicante”.

De acordo com um artigo publicado recentemente no British Dental Journal, a demanda por pasta de dentes de carvão parece estar a aumentar em muitos países, incluindo os EUA, Reino Unido e Austrália.

Os compradores de pasta dentífrica de carvão fazem-no por causa das alegações de que embranquece os dentes e remove as impurezas ao ligar-se a todos os depósitos da superfície dentária. No entanto, os investigadores dizem que não é mais do que “um truque elegante de marketing“. Contudo, o carvão ativado pode causar cáries e manchas.

Os cientistas apontam para uma revisão de literatura de 2017 que analisou os resultados de 118 artigos e contou com um banco de dados de 50 pastas de dentes à base de carvão vegetal. Constatou “evidências científicas insuficientes para substanciar os benefícios cosméticos, à saúde (antibacterianos, antifúngicos ou antivirais, cárie reduzida, clareamento dentário, desintoxicação oral) ou alegações de segurança de dentifrícios à base de carvão vegetal comercializados”.

Estes benefícios estéticos e de saúde incluem capacidade de clareamento dental(reivindicada por 96% dos produtos), capacidade de desintoxicação (46%), antibacteriana ou antisséptica (44%), remineralização, fortalecimento ou fortificação dos dentes (30%), baixa abrasividade (28 por cento) e antifúngico (12 por cento).

“Essa abordagem cientificamente reivindicada até que se prove o contrário é favorecida em favor de uma promoção fundamentada e baseada em evidências”, escrevem os autores.

Outro grande problema com muitos das pastas analisadas foi a sua falta de flúor. O flúor pode ser tóxico nas doses erradas, mas os baixos níveis encontrados nos produtos dentífricos mais comuns são um ingrediente-chave, evitando a cárie dentária e remineralizando os dentes para torná-los mais fortes.

Apenas 8% das pastas dos dentes analisadas ​​continham flúor. Além disso, qualquer benefício que o flúor tenha nesses 8% dos produtos poderia ser nulo e sem efeito devido à presença de carvão ativado, que possui uma capacidade de absorção extremamente alta. Isso significa que pode “inativar” o produto químico.

Outra questão é o nível de abrasividade encontrado nos produtos. Muitas vezes, é muito maior do que as pastas dos dentes regulares e, portanto, quando usado regularmente, pode danificar o esmalte e gengivas.

ZAP // IFL Science

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.