foto: Luis Forra / Lusa

No comunicado onde avança a aceitação do pedido dos investigadores, para adiar o prazo do inquérito por mais três meses, a Procuradora-Geral da República (PGR) começa por admitir que os sucessivos atrasos que se têm verificado se justificam pela “elevada complexidade dos factos investigados”.

“Pese embora todo o esforço empreendido e o considerável avanço na investigação, não poderá deixar de se notar que poderiam eventualmente ter sido desenvolvidas estratégias de direcção do inquérito tendentes a melhor racionalizar os meios disponíveis e a reforçar aquela direcção, desde logo em sede do cumprimento, pelo OPC [Órgão de Polícia Criminal, ou seja, a equipa das Finanças], das orientações dadas pelos magistrados que integram a equipa de investigação”, repara contudo, Joana Marques Vidal.

A PGR solicita assim, ao director do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Amadeu Correia, que é o superior hierárquico do Procurador Rosário Teixeira que lidera a “Operação Marquês”, que analise a possível adopção de medidas para “fortalecer a direcção do inquérito e definir a concreta atribuição aos magistrados que integram a equipa das tarefas a realizar, a reforçar a articulação interna da equipa e, bem assim, a articulação directa e presencial da intervenção do OPC, eventualmente através da avocação do inquérito”.

Isto é o mesmo que dizer que Joana Marques Vidal pede a Amadeu Correia que “pondere assumir a direcção do inquérito”, afastando Rosário Teixeira do caso, conforme salienta o jornal Público.

As críticas de Joana Marques Vidal estendem-se também aos responsáveis do inquérito da Direcção de Finanças de Braga, que são liderados pelo inspector tributário Paulo Silva, considerando que é preciso que haja uma “definição clara das suas atribuições, do modo como essa coadjuvação deve processar-se e do modo como o solicitado pelos magistrados ao OPC deve ser cumprido, bem como do tempo de cumprimento das tarefas atribuídas”.

Os advogados de José Sócrates, João Araújo e Pedro Delille, já anunciaram que vão impugnar o prolongamento da investigação, acusando a PGR de se limitar a “deitar as culpas ao mordomo”.

Sócrates acusa Sonae de ter pressionado o governo

Entretanto, José Sócrates reage às declarações do presidente executivo da Sonae, Paulo Azevedo, sobre a OPA lançada por esta empresa à Portugal Telecom, um dos vários casos em que o ex-primeiro-ministro está sob suspeita.

Paulo Azevedo disse que “estavam todos feitos” neste negócio e que “o jogo estava distorcido”.

Numa nota no Diário de Notícias, Sócrates refere que a “declaração constituiu uma grave e maldosa insinuação” que diz “indignadamente repudiar“.

“O governo da altura assumiu uma posição de estrita imparcialidade nem contra nem a favor da OPA”, acrescenta o ex-primeiro-ministro, garantindo que manteve sempre uma “posição de neutralidade” no processo, nomeadamente relativamente à Caixa Geral de Depósitos, “a cuja administração foi comunicada total liberdade”.

Sócrates alega ainda, que a “administração da Sonae tentou persuadir o governo a apoiar a OPA”. É “indesculpável que alguém que tentou em várias ocasiões convencer o governo a ser apoiante da sua iniciativa empresarial se permita fazer insinuações que o próprio sabe serem falsas”, conclui o ex-governante.

“O governo nunca esteve feito com ninguém. Nem com o Dr. Paulo Azevedo”, termina Sócrates neste texto no DN.

ZAP //

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui