Foto: jurvetson / Flickr  //

Só este ano, mais de 200 voos foram cancelados devido à recusa por parte dos pilotos alemães de levantar voo com refugiados deportados da Alemanha, com destino ao Afeganistão.

 O partido alemão Die Linke requereu ao governo de Angela Merkel informações sobre o número de voos cancelados por pilotos alemães. Em causa está a recusa dos pilotos em participar nas deportações de refugiados que viram os seus pedidos de asilo rejeitados.

Entre janeiro e setembro deste ano, foram impedidos 222 voos, mais de metade com origem no aeroporto de Frankfurt. Parte das recusas – cerca de 85 – partiram dos pilotos da companhia aérea Lufthansa e da sua subsidiária German Wings.

De acordo com a Shifter, Michael Lamberty, porta-voz da Lufthansa, garante que se trataram de decisões individuais e que, embora possam ter sido combinadas, não foram planeadas por nenhum grupo de pilotos da companhia aérea.

Lamberty afirma ainda que muitas vezes os pilotos conversam pessoalmente com o passageiro que vai ser deportado, antes de entrar no avião. “Se a segurança dos aeroportos tiver alguma indicação de que a situação pode complicar-se durante uma deportação, podem decidir não deixar entrar os passageiros”, acrescentou.

Apesar do aumento das deportações, a Alemanha continua a ser o principal destino de milhares de pessoas requerentes de asilo na União Europeia. Segundo o Eurostat, o país processou mais pedidos de asilo do que os restantes 27 países da UE todos somados.

ZAP //

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui