Foto: Manny Valdes / Flickr  //

Parece o cliché de qualquer filme de ação que se preze, mas como se costuma dizer: a realidade ultrapassa sempre a ficção.

 A PJ iniciou um processo de compra de um sistema que permite recolher dados e comunicações de dispositivos móveis como smartphones ou tablets à distância. Este serviço irá custar cerca de 2,95 milhões de euros, distribuídos ao longo de três anos.

Esta compra, 30% da qual será financiada pela União Europeia, procura “dotar a Polícia Judiciária dos meios técnicos adequados à promoção e reforço da prevenção e da repressão da criminalidade transnacional grave e organizada”, assim como fomentar “a cooperação, quer com os restantes Estados-membros, quer com Países Terceiros” segundo a Portaria n.º 4/2018 do Diário da República.

No mundo atual, no qual o público transporta no bolso (e maioritariamente online) essencialmente todos os registos da sua vida, o potencial desta ferramenta no que toca à invasão de segurança e privacidade digitais é obviamente vasto e potencialmente alarmante.

Exatamente por isso, foi assegurado ao Jornal de Negócios que o seu uso será feito de acordo com os procedimentos legais, ou seja, será necessária a autorização de um juiz sempre que se quiser extrair informação, e que este pedido terá de ser devidamente justificado.

Como seria de esperar, pouco ou nada se sabe sobre o funcionamento da tecnologia, mas é seguro assumir que passará pelo acesso a informação como a que já é recolhida pelas várias operadoras nacionais, algo denunciado como inconstitucional pela Associação da Defesa dos Direitos Digitais (D3).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui