O secretário-geral do PS considerou que o Presidente da República “errou” no discurso do 25 de Abril ao negar um caminho alternativo de esperança contra a crise e ao traçar “um quadro de resignação”.

António José Seguro fez esta referência ao discurso proferido pelo chefe de Estado, Cavaco Silva, na Assembleia da República, na quinta-feira, durante a sessão solene do 25 de Abril, já na parte final da sua intervenção na abertura do XIX Congresso Nacional do PS e que motivou uma curta reação de apupos por parte da sala quando foi referido o nome do Presidente da República.

Seguro considerou que “erram aqueles que negam ao nosso país o direito a podermos acreditar que há um caminho diferente do prosseguido por este Governo para encarar e resolver os problemas nacionais”.

“Foi este o maior erro transmitido pelo senhor Presidente da República aos portugueses, o erro de negar a esperança e a evidência de que há um caminho alternativo para sairmos da crise. O erro de negar o desenvolvimento e modernidade, em vez de uma receita de asfixia e de condenação à pobreza”, disse.

Ainda de acordo com o secretário-geral do PS, o Presidente da República errou ao traçar “um quadro de resignação onde se esperaria um apelo ao melhor das energias de todos para dar curso ao único caminho que vale a pena percorrer: O caminho do combate ao atraso, à queda da economia, às desigualdades e às discriminações que o mais elementar sentido de justiça não pode tolerar numa sociedade democrática”.

“Em democracia há sempre soluções, há sempre alternativas. E o pior serviço que à democracia podemos prestar é o da descrença na capacidade do povo para criar soluções para os problemas com que está confrontado”, acrescentou.

NOTICIA LUSA
FOTO DE ARQUIVO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui