O crescimento de vendas dos veículos elétricos tem sido grande… em percentagem. Na maioria dos países, Portugal incluído, os carros e motos sem escape ainda representam menos de 1% do mercado. As razões principais são as conhecidas: preço de aquisição elevado e autonomia limitada. Apesar de os números demostrarem que estes obstáculos podem ser, em larga medida, falsos – o preço de aquisição elevado pode ser compensado pelos custos de utilização muito mais baixos e a autonomia é suficientes para a esmagadora maioria dos percursos –, a verdade é que a maioria dos condutores ainda não está convencida.

No entanto, tudo pode mudar até ao final de 2020 devido à chegada ao mercado de carros de preço médio com autonomias reais bem superiores a 200 ou mesmo 300 km. São as promessas do Chevrolet Bolt, do Opel Ampera-e, do Tesla Model 3 e de uma nova versão do Nissan Leaf. Marcas que não vão ficar sozinhas, já que os grandes fabricantes estão a investir milhares de milhões na evolução dos carros elétricos. Ford, Volkswagen, BMW, Daimler Benz, Porsche… Isto já para não falar dos rumores que vêm da Google e da Apple.

É o que a Bloomberg Business explica de um modo gráfico no vídeo, em inglês, que apresentamos em baixo, onde é demonstrado que a evolução tecnológica como referida (carros elétricos mais económicos e com maior autonomia) pode despoletar uma mudança rápida no mercado, levando a uma crise do petróleo sem retorno. A conclusão da Bloomberg Business é para os investidores e analistas de mercado: levem os carros elétricos a sério e considerem deslocar o investimento do petróleo para as fontes de energia renováveis.

/bloomberg

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.