- Pub -

O jovem agredido em Ponte de Sôr, teve alta hospitalar depois de 17 dias de internamento, devido ao brutal espancamento de que foi vítima. Passada a fase mais decisiva da sua recuperação, Rúben tem pela frente um processo de descanso e análise da sua evolução.

O caso de Rúben Cavaco chocou a opinião pública pela violência do corrido, levantando muitas questões relativas a imunidade diplomática, que neste caso que aplica. Segundo informações veiculadas, o estado português já solicitou o levantamento da mesma relativamente aos gémeos, filhos do diplomata iraquiano, acusados de serem os autores do “crime” cometido contra o jovem de 15 anos, no entanto, a resposta parece tardar.

A situação delicada com que Rúben chegou ao hospital,  fez com que este permanecesse em coma induzido, situação que consegui ultrapassar de forma mais célere do que era esperado pela equipe médica que o cuidava.

Após 17 dias de internamento, o jovem recebeu alta hospitalar, na passada sexta-feira, estando agora em Lisboa em casa dos avós e na companhia da mãe, numa tentativa de o afastar da agitação que se vive em Ponte de Sor, em volta do sucedido com ele, há quase 3 semanas atrás.

Apesar da sua evolução favorável, Rúben tem pela frente um largo período de recuperação. Ainda fisicamente debilitado o jovem não tem memória do que lhe sucedeu na noite fatídica que o colocou nesta situação, reconhece no entanto os rostos dos presumíveis culpados da agressão que sofreu.

A mãe e o seu advogado esperam ver o caso ir a julgamento e que seja feita justiça no lugar certo, não colocando de parte a possibilidade de exigir uma indemnização pelos damos físicos e até psicológicos causados no jovem.

iPG

- Pub -

Deixe o seu comentário