Segundo o estudo realizado pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), da qual fez parte a análise de 36 refeições, 90% destas tinham sal muito acima do valor recomendado.

Na semana em que o Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da Direção Geral de Saúde, lançou uma plataforma online, onde os pais poderão avaliar as ementas servidas nas escolas públicas, surgem dados que levantam alguma polémica. O estudo realizado pelo Instituto Nacional de Saúde, dá conta que as crianças do 1ºciclo andam a comer demasiado sal e proteína e poucos alimentos com boa componente energética. Este estudo recaiu sobre 36 escolas da grande Lisboa, tendo sido analisada 1 refeição por escola.

No relatório é possível ver os resultados da comparação entre o encontrado nas refeições e as recomendações internacionais para crianças desta faixa etárias. Os investigadores concluíram que em metades dos pratos os valores das proteínas é demasiado elevada, além disso o valor de hidratos de carbono e de gordura estão abaixo dos valores recomendados em 36% e 50% respetivamente.

O INSA alerta que “Para gozar de boa saúde não é apenas suficientes satisfazer as necessidades energéticas do organismo. É preciso fornecer uma grande diversidade de substâncias, mesmo que algumas das substâncias sejam necessárias em quantidades mínimas. Tem de atender-se não só ao valor calórico dos alimentos mas também aos nutrientes.

A nível da união europeia e apesar das diretrizes alimentares sugeridas, em alguns países como é o caso de Portugal, “as regras são de cunho voluntário”. Devidos aos resultados encontrados, não deveriam as diretrizes ganhar carácter obrigatório também no nosso país? Não podemos esquecer que as crianças do 1ºciclo passam grande parte do dia na escola, sendo que é ai que ingerem boa parte da sua alimentação.

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.