Otelo Saraiva de Carvalho afirmou esta sexta-feira que Cavaco Silva apenas “gere o seu poder pessoal” e que “nunca teve a capacidade”, que, “apesar de tudo”, Oliveira Salazar tinha, de preservar a soberania nacional na relação com países estrangeiros.

Em Guimarães, à margem do colóquio “Ontem, Hoje e sempre Abril”, Otelo apontou ainda o dedo ao Presidente da República ao afirmar que “foi com este que começou” o “grande problema do país”.

Para o “general de Abril”, como lhe chamaram os populares presentes, Cavaco Silva foi “sempre” um “homem do partido”, embora o tenha andado a “disfarçar” ao longo do tempo.

“Como governante, [Cavaco Silva] nunca teve a capacidade que teve Salazar, que, apesar de tudo que ele era, tentou preservar sempre e foi sempre extremamente duro em relação às negociações com países estrangeiros no que se referia à soberania do nosso país. Cavaco silva não”, comparou.

Para Otelo, “Cavaco Silva foi gerindo o seu poder pessoal como primeiro-ministro e agora como Presidente da República à custa de toda uma degradação politica e sobretudo económica”.

Questionado sobre o discurso do Presidente da República nas cerimónias de comemoração do 25 de abril, Otelo, apontou que as palavras de Cavaco ilustraram “aquilo que ele é” na verdade.

“De facto, o Presidente Cavaco Silva foi sempre um homem de partido, embora tenha procurado disfarçar durante algum tempo, com os consensos e não sei o quê. Agora vai procurar o consenso mas castigando violentamente a oposição”, referiu.

Para Otelo, Cavaco Silva “deve ter tento e não procurar perturbar a ação governativa”.

Sobre o atual Presidente da República, o militar apontou ainda “culpas” na atual situação do país.

“Foi com ele [Cavaco Silva] que começou, de facto, o grande problema do país. Ele foi um mau primeiro-ministro. Fez muitas autoestradas mas não era isso que interessava. Interessava consolidar economicamente um país que tem pouca indústria”, apontou.

O militar disse ainda que o “objetivo” do 25 de Abril não era “este” país mas sim “instaurar um regime de democracia representativa segundo o modelo ocidental, acabar a descolonização, libertar esse peso angustioso que era e tentar desenvolver o país”.

Segundo Otelo, “perderam-se os grandes ideais” e “perdeu-se o ideal que é todo um povo viver em coesão, feliz, com um sentido de bem-estar e dignidade que hoje não existe”.

Ainda assim, admitiu, “valeu a pena” a revolução.

“Fundamentalmente porque permitiu rapidamente a um povo, subjugado durante uma ditadura de 48 anos, pela primeira vez, sentir o que era a liberdade. Só por isso valeu a pena”, exclamou.

NOTICIA LUSA
FOTO LUSA
COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.