O secretário-geral do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder), Julião Mendes Paulo, mais conhecido pelo nome de guerrilha Dino Matross, instou hoje os jovens angolanos a preservarem a “memória coletiva”.

Durante o lançamento, em Lisboa, de dois livros de sua autoria, editadas pela Caminho/Leya, o nacionalista angolano, atualmente general na reforma, relembrou “o quanto custou a liberdade”, reconhecendo a necessidade de estabelecer “pontes entre as velhas e as novas gerações”.

Perante as cerca de três centenas de pessoas que enchiam uma sala de um hotel de luxo de Lisboa, o autor de “A PIDE na rota de José Mendes de Carvalho, Hoji Ya Hienda” e “Dino Matross, na mira da PIDE” (este último já editado em Angola) disse que “a juventude angolana tem e deve desempenhar um papel importante na preservação da coesão” do país.

Dino Matross desafiou ainda os interessados na história de Angola a compararem testemunhos, destacando a importância da “diversificação das fontes sobre a história contemporânea de Angola”.

Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui