foto : David Maxwell / EPA

O Senado dos Estados Unidos aprovou esta quinta-feira uma resolução para limitar os poderes de Donald Trump para iniciar uma guerra contra o Irão sem autorização prévia do Congresso. No entanto, o presidente norte-americano deverá vetar esta decisão.

A resolução, que contou com o apoio de oito membros do Partido Republicano, prevê que Trump peça autorização ao Congresso para avançar com ações militares contra Teerão. Antes de chegar ao Senado, a Câmara dos Representantes já tinha aprovado uma medida semelhante, em janeiro.

“Se o Presidente tem e deve sempre ter a capacidade de defender os Estados Unidos contra um ataque iminente, o poder executivo deve parar por aí“, disse esta quinta-feira o senador Democrata e autor da resolução, Tim Kaine, citado pelo Jornal de Notícias.

“Uma guerra ofensiva requer um debate e uma votação no Congresso, sendo esse o único poder para declarar guerra de acordo com a Constituição Americana”, acrescentou.

Mesmo que Trump vete a resolução, esta é vista como uma vitória para os Democratas, que contaram com 55 votos favoráveis e 45 contra, segundo a RTP. O presidente norte-americano já se tinha manifestado no Twitter sobre a resolução, dizendo que caso fosse aprovada “enviaria um sinal muito mau” para a segurança dos EUA.

“É muito importante para a segurança do nosso país que o Senados dos Estados Unidos não vote na resolução dos poderes de guerra no Irão. Estamos a ir muito bem com o Irão e não é hora de mostrar fraqueza. Os americanos apoiam predominantemente o nosso ataque ao terrorista Soleimani”, começou por escrever.

“Se as minhas mãos estivessem atadas, seria uma volta no parque para o Irão. Envia um sinal muito mau. Os democratas estão a fazer isto apenas como uma tentativa de embaraçar o Partido Republicano. Não deixe isto acontecer!”, acrescentou.

ZAP //

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui