O secretário de Estado da saúde, Fernando Leal da Costa, afirmou esta sexta-feira que o agravamento das taxas moderadoras não garante a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas não revelou se o Governo está a ponderar novos aumentos.

“Não é com as taxas moderadoras que o SNS se tornará sustentável”, disse o secretário de Estado da Saúde, ao ser questionado sobre um eventual aumento das taxas moderadoras, durante uma visita ao Centro de Estudos de Vetores e Doenças Infeciosas (CVEDI), em Águas de Moura, Palmela.

“O SNS, para se tornar sustentável precisa de uma conjugação de esforços, que passa por uma muito maior eficiência na prestação de cuidados e serviços, pela capacidade de prevenção que passa, e começa, pelo comportamento das pessoas”, acrescentou.

Fernando Leal da Costa falava aos jornalistas durante uma visita ao CVEDI, onde presidiu à sessão de encerramento do 5.º Workshop da Rede de Vigilância de Vetores (REVIVE), que permite conhecer as espécies de vetores e a forma como se distribuem pelo país.

O secretário de Estado da Saúde salientou também a importância do CVEDI, instalado no concelho de Palmela, na prevenção de doenças transmitidas por carraças e mosquitos, assegurando que se trata de um laboratório que está na primeira linha de combate a este tipo de agentes exógenos (carraças e mosquitos).

O CVEDI faz a vigilância de carraças e mosquitos que transmitem doenças, designadamente dos mosquitos que transmitem a doença de dengue, que chegou o ano passado à Ilha da Madeira, levando as autoridades portuguesas a adotarem diversas medidas de prevenção, incluindo a pulverização dos aviões provenientes daquela região insular.

Fernando Leal da Costa acredita que o número de pessoas infetadas com dengue na Ilha da Madeira deverá ser muito menor este ano, devido às ações entretanto realizadas, para prevenir a propagação da doença.

A deteção atempada dos vetores (populações) que transmitem este tipo de doenças permite a tomada de medidas, pelas autoridades de saúde, que contribuem para o controlo dessas populações e para mitigar o seu impacto na saúde pública.

De acordo com a investigadora Isabel Lopes de Carvalho, do CVEDI, “a deteção de carraças que provocam a febre escaro-nodular [febre da carraça] e de mosquitos que originam a Borreliose de Lyme [doença de Lyme] é uma prioridade, dado que são vetores de doenças prevalentes e de declaração obrigatória em Portugal”.

Os dados apresentados no Workshop, em Águas de Moura, revelam que, em 2012, houve um aumento do número de concelhos que aderiram a este programa de vigilância REVIVE, passando de 79, em 2011, para 88, no ano passado, o que permite melhorar o programa de vigilância das populações transmissoras de doenças.

NOTICIA LUSA
COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.