foto : António Pedro Santos / Lusa

A informação é avançada esta sexta-feira pelo Observador, que contam que a juíza disse ter existido um erro informático e que por esse mesmo motivo se esqueceu de anunciar uma alteração à acusação pública: onde se lia que foi António Joaquim a disparar deve ler-se que foi Rosa Grilo, dizem os juízes.

O Observador precisa que foi um lapso informático que fez com a alteração não fosse registada, não sendo esta por isso anunciada pela juíza. O jornal frisa que esta alteração não implica automaticamente que esta seja a alteração final do tribunal até porque estes factos, mesmo alterados, podem ser dados como não provados.

As “alterações não substanciais” da acusação, anunciadas pelo tribunal a 10 de janeiro, atribuíam a Rosa Grilo a decisão de matar o seu marido, teria sido a autora moral. António Joaquim, o seu alegado amante, era referido como o autor do disparo.

A nova alteração atribuiu agora a Rosa Grilo a autoria do disparo.

Face às alterações anunciadas, a juíza deu três dias às defesas para se pronunciarem, dizendo que se quiserem produzir novas provas terão de o fazer já na terça-feira, data em que o julgamento de Rosa Grilo e António Joaquim continua.

O julgamento vai prosseguir na terça-feira, com a inquirição de duas testemunhas, segundo um despacho do tribunal de Loures, a que a agência Lusa teve acesso.

Em resposta a um pedido da defesa de Rosa Grilo, o tribunal admitiu a inquirição de duas testemunhas, advertindo que “apenas se permitirá que sejam ouvidas relativamente à matéria factual que integra a alteração não substancial”, que foi comunicada em 10 de janeiro, data em que estava marcada a leitura do acórdão.

O crime terá sido cometido para poderem assumir a relação amorosa e beneficiarem dos bens da vítima – 500.000 euros em indemnizações de vários seguros e outros montantes depositados em contas bancárias tituladas por Luís Grilo, além da habitação.

Ambos estão a ser acusados pelos procuradores dos crimes de homicídio qualificado agravado, profanação de cadáver e detenção de arma proibida.

O corpo foi encontrado com sinais de violência e em adiantado estado de decomposição, mais de um mês após o desaparecimento, a cerca de 160 quilómetros da sua casa, na zona de Benavila, concelho de Avis, distrito de Portalegre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui