Um tribunal russo rejeitou hoje o pedido de um dos elementos presos do grupo punk-rock Pussy Riot para que só cumprisse a sentença quando o seu filho com cinco anos de idade fosse mais velho.

As jovens do grupo ‘punk’ feminino entraram encapuzadas em fevereiro de 2012 na catedral do Cristo Redentor (ortodoxa) em Moscovo e cantaram uma canção de protesto na qual pediam à Virgem para “perseguir” o Presidente russo, Vladimir Putin, tendo sido condenadas a 17 de agosto, por um tribunal de Moscovo, a dois anos de prisão, por “vandalismo” e “incitamento ao ódio religioso”.

“O tribunal decidiu não satisfazer a petição”, disse o juiz no tribunal da cidade russa de Berezniki, segundo noticia a AFP, citando a a agência russa RIA Novosti.

Maria Alyokhina, de 24 anos, pediu ao tribunal para que não cumprisse o que resta da sua pena de prisão de dois anos até que seu filho Filipp seja um adolescente.

NOTICIA AGÊNCIA LUSA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui