Foto: madanelu / Flickr  //

Dar um ovo por dia a uma criança com mais de seis meses fornece ao bebé nutrientes podem ajudar no seu desenvolvimento.

 Investigadores de várias universidades dos Estados Unidos concluíram que os bebés que comiam um ovo por dia a partir dos seis meses de idade e até ao primeiro aniversário registavam concentrações elevadas de nutrientes que ajudam ao desenvolvimento e ao bom funcionamento de cérebro, avança a Visão.

Bebés que tinham ovos incluídos na sua alimentação diária apresentaram valores elevados de colina, outros marcadores biológicos relacionados com a mesma vitamina e ácido docosa-hexaenoico (DHA).

A colina é um elemento que faz parte da vitamina B e que tem efeitos positivos no fígado e nos sistemas nervoso e cardiovascular.

A falta deste elemento está frequentemente associada a problemas renais, musculares e ósseos, hemorragias, alguns tipos de cancro, perda de memória e atrasos no crescimento e desenvolvimento cerebral.

O DHA, por sua vez, é um ácido que faz parte do complexo ómega 3 e que contém propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Também revela benefícios ao nível do cérebro e da memória.

Lora Iannotti, autora do estudo e professora da Universidade de Washington em St. Louis, diz que “os ovos têm sido consumidos ao longo da história humana, mas o potencial total deste alimento nutricionalmente completo ainda não foi totalmente reconhecido”.

Lora acrescenta que “tal como o leite ou as sementes, os ovos são projetados para apoiar o crescimento precoce e desenvolvimento de um organismo e, portanto, são densos em conteúdo de nutrientes” além disso “os ovos fornecem ácidos graxos essenciais, proteínas, colina, vitaminas A e B12, selénio e outros nutrientes em níveis iguais ou superiores aos encontrados noutros produtos alimentares de origem animal, mas são relativamente mais acessíveis”.

Este estudo analisou 163 bebés entre os seis e os nove meses de idade no ano de 2015 no Equador. A investigação dividiu os bebés em dois grupos: um dos grupos comia um ovo por dia e o outro grupo não comia esse alimento.

Através de recolhas de sangue, os investigadores mediam os níveis de vitaminas e minerais dos bebés e concluíram que o grupo de crianças que incluía ovos na alimentação registava níveis de colina e DHA mais elevados, o que melhorava o desenvolvimento e funcionamento de cérebro dessas crianças.

ZAP //

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.