A falta de nadadores-salvadores fez com que três zonas balneares perdessem a bandeira azul atribuída este ano, uma vez que o critério de segurança exige “pelo menos dois nadadores-salvadores por praia”, disse à Lusa a Associação Bandeira Azul.

Símbolo de qualidade das praias portuguesas, o galardão não vai ficar hasteado na Praia de Quiaios, na Figueira da Foz, e nas zonas balneares do Carapacho e da Vila da Praia, em Santa Cruz da Graciosa (Açores).

Segundo a coordenadora nacional do programa Bandeira Azul, Catarina Gonçalves, estas praias “têm excelente qualidade”, mas “sem nadadores-salvadores é impossível hastear o galardão”.

A origem do problema da falta de nadadores-salvadores difere entre as praias afetadas.

No que diz respeito às zonas balneares de Santa Cruz da Graciosa, a situação “é recorrente, quase todos os anos é muito difícil encontrar nadadores-salvadores”, por “ser um sítio muito pequeno” onde não existe curso de formação para a atividade, sendo necessário a deslocação de profissionais para a ilha, referiu Catarina Gonçalves.

Como o concurso lançado pela câmara ficou deserto, as duas zonas não chegaram a hastear a bandeira, como já aconteceu várias vezes: a autarquia candidata-se anualmente e obtém a distinção, mas acaba por não conseguir erguê-la por não ter nadadores.

Em relação à Praia de Quiaios, o problema surgiu porque “os concessionários não conseguiram contratar nadadores-salvadores”.

Segundo o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN), o galardão chegou a ser hasteado este verão, mas foi retirado na sequência de uma auditoria realizada este mês.

De acordo com a Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (FPONS), esta situação “tem a ver com as condições de trabalho oferecidas pelos concessionários, com salários baixos, pois querem rentabilizar ao máximo o seu negócio”.

Para resolver o problema e garantir a contratação de profissionais que garantam a segurança das praias, o presidente da FPONS, Alexandre Tadeia, defendeu que “a única solução é passar a responsabilidade às autarquias”.

A nível nacional estão atualmente certificados para o exercício da atividade “7.615 nadadores-salvadores, quando as necessidades são de 4.000”, informou o comandante Nuno Leitão, do ISN, para explicar que “não existe falta de profissionais, mas sim de condições por parte dos concessionários para os contratar”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui