foto: ALPHA ONE MEDIA / CHRISTOPHER REEVES

Depois de vencer a Tissot Superpole Race, o piloto da Irlanda do Norte também venceu a corrida 2 na última volta.

A corrida 2 viu Jonathan Rea fazer a sua 350 partida e a conquistar a sua 117ª vitória na carreira. Tanto na Tissot Superpole Race (à frente de Razgatlioglu) como na Corrida 2 (à frente de Bautista), venceu por menos de 0,2 seg. reduzindo a liderança em relação ao líder Bautista na classificação do Campeonato para apenas 17 pontos.

P1 – Jonathan Rea (Kawasaki Racing Team WorldSBK): “Joguei as minhas cartas especialmente na última volta. A corrida foi bastante stressante. Tivemos neblina durante toda a corrida, especialmente na última seção do circuito, ao entrar nas curvas, 7, 8, 9, 10, 11, 12, minha viseira estava cheia de água. Depois de algumas voltas atrás do Toprak, tinha aderência pelo que me convenci de que o piso estava seco. Quando o Alvaro me passou, foi como se a tranquilidade da corrida tivesse acabado de ser desligada, sabia que tinha de ir com ele. Ele fez um trabalho muito bom, eu podia usar seu slipstream (cone de ar) na reta da meta apenas para recuperar alguns metros,  o suficiente para me manter junto. Fiz uma boa curva 1 e na curva 3 já estava a ficar mais calmo,  no resto da pista era só manter a posição.

Na última volta, cometi um erro em duas curvas, pensei  ‘será que devo tentar passar na curva seis?’, mas ele teve uma tração tão boa nas curvas 4 e 5 e ao longo da reta interior, não era possível. Mas a minha tração mecânica na seis foi incrível. Entrei com a moto na  trajetória  da curva 7 e vi o que podia fazer. O Álvaro cortou de novo a trajetória e foi quando pensei na chicane. Entrei pela trajetória e tentei fechar a minha. Foi o suficiente, tivesse uma grande escorregadela na última curva. Foi muito, muito emocionante, especialmente quando se vence uma corrida como esta.”

Bautista liderou a maior parte da segunda metade da corrida antes de ser ultrapassado por Rea na curva 9 da última volta. O piloto espanhol conquistou seu nono pódio consecutivo, o que significa que é o único piloto que esteve no pódio de todas as corridas de 2022.

P2 – Alvaro Bautista (Aruba.it Racing – Ducati): “No final, consegui uma vantagem sobre Jonathan e sobre os outros pilotos, o que foi bom, na última volta a batalha com o Jonny foi boa. Ele tentou passar-me na curva 7, mas já estava e recuperei a posição. Na chicane, tentei fechar a porta, acho que até a fechei muito bem, mas ele abriu a porta  e colocou a moto à minha frente na entrada da curva, assim tive que mudar a trajetória, mas ficou uma pequena brecha à saída da chicane que Rea aproveitou. Fiquei muito longe e especialmente na última curva, no último setor, começou a chover, fiz a última curva a sentir o pneu traseiro escorregar, por isso não pude repetir o que fiz ontem, mas estou feliz, lutamos até ao fim pela vitória.”

Apesar de começar por liderar a corrida ,  Razgatlioglu perdeu para a dupla da frente e teve de se contentar com o terceiro lugar. Conquistou ainda assim oseu 61º pódio, igualando Frankie Chili e James Toseland. Encontra-se em terceiro  do Campeonato a 52 pontos de Bautista e a 35 pontos atrás de Rea.

P3 – Toprak Razgatlioglu (Pata Yamaha with Brixx WorldSBK): “Para mim, foi um bom fim de semana, somos muito fortes. Na Corrida 2, tentei lutar pela vitória, mas passadas de 10 voltas, tive uma grande perda de aderência do pneu traseiro e começou a escorregar muito, principalmente na última curva. Tento o meu melhor em todas as corridas. Às vezes, precisamos de sorte, especialmente na primeira corrida, quando na reta, a Ducati me ultrapassou. Na Superpole Race, com um pequeno meu erro quase caí. Às vezes, vejo a bandeira de xadrez, mas nem sempre é possível ser o primeiro a vê-la . Conquistamos bons pontos no Campeonato, espero que em Misano lutemos pela vitória.”

Lutou pelo pódio,  depois de uma sexta e sábado difíceis, Lowes ficou em quarto lugar depois de sair na curva 1 na volta 14. Este foi o seu melhor resultado da temporada até ao momento.

P4 – Alex Lowes (Kawasaki Racing Team WorldSBK): “Tive um fim de semana difícil. Desde o primeiro treino, não me senti confortável com a moto e fui muito lento. Fizemos grandes mudanças  a primeira corrida de hoje. Obviamente, o tempo esteve contra nós. Mas na Superpole Race, escolhi o pneu traseiro SC0, senti-me bem. Senti que a moto estava a funcionar muito bem no final da corrida. Comecei na sexta posição na última corrida. Achava que se fizesse uma boa partida talvez pudesse ficar com os da frente, pelo menos nas primeiras voltas. Infelizmente, na última parte da corrida comecei a perder posições. Mas terminei o fim de semana com alguma confiança e com sentimento positivo.”

Locatelli conquistou o quinto lugar, terminando apenas 0,077s à frente de Lecuona, conquistou seis P6 consecutivos. O italiano encontra-se em quarto no Campeonato, a 25 pontos do seu companheiro de equipa.

P5 – Andrea Locatelli (Pata Yamaha with Brixx WorldSBK):  “Na corrida 2, melhoramos muito a moto em relação a ontem e a diferença foi menor para o grupo da frente. Cometi alguns erros na primeira parte da corrida e,  perdi a oportunidade de ficar com Alex para lutar pela P4. No final, foi um fim de semana positivo para minha equipa e para mim.”

Com a P6 na Corrida 2, o rookie espanhol fez um hat-trick entre os seis primeiros na sua primeira visita ao Estoril. Ocupa o quinto lugar no Campeonato, a 8 pontos de Locatelli.

P6 – Iker Lecuona (Team HRC): “Globalmente, estou muito feliz com as duas P6 e o P4 na Tissot Superpole Race. Acho que progredimos nestas corridas. Senti-me confortável desde a manhã de sábado com a moto e sabia que éramos capazes de lutar por essas posições. Terminei em sexto muito perto do primeiro grupo, a menos de 9 segundos. Lutamos com o Alex, recuperamos para o Locatelli. Muito feliz com a equipe porque demos um grande passo em frente este fim de semana.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui