É uma doença desencadeada pela carência de vitamina C (ácido ascórbico) no organismo. Normalmente associamos o escorbuto aos marinheiros que entre os séculos XVI e XVIII, devido às longas viagens em alto mar, quase não consumiam verduras nem frutas frescas.

Ficou conhecida como a “peste do mar” ou a “peste das naus”, pois os sintomas passam pelo sangramento e inflamação nas gengivas e queda de dentes ou em fases mais avançadas pelos edemas generalizados, icterícia, febre e convulsões.

Já no século XVIII um médico inglês percebeu a relação entre o escorbuto e a má alimentação. Bastou recomendar aos pacientes o consumo de laranjas e limões para ajudar a controlar a doença.

E agora, em pleno século XXI, e com todos os conhecimentos que existem, era de esperar que o escorbuto era coisa do passado. Mas não.

“Ressuscitou” e num país desenvolvido. Segundo as autoridades de saúde, há já alguns casos registados na AustráliaA culpa é das dietas pouco variadas.

Jenny Gunton, responsável pelo Centro de Pesquisa sobre Diabetes, Obesidade e Endocrinologia do Instituto Westmead em Sydney, descobriu isso mesmo depois de verificar que as feridas dos seus pacientes não cicatrizavam.

“Quando lhes perguntava sobre a dieta que tinham, uma pessoa disse que estava a comer poucas frutas e vegetais frescos e o resto comia quantidades adequadas de vegetais, mas estava a cozinhar demais os alimentos, o que destrói a vitamina C”, disse a investigadora.

“Isso mostra que uma pessoa pode ingerir muitas calorias e mesmo assim não receber nutrientes suficientes”, acrescentou.

Penelope Jackson foi uma das pacientes diagnosticadas com a doença. “Eu não podia acreditar. Pensei: ‘espera, o escorbuto desapareceu há séculos’”, realçou ao Sydney Morning Herald.

O diagnóstico de escorbuto em 12 pacientes foi feito com base em exames de sangue e sintomas. Todos foram curados com uma simples ingestão de vitamina C.

Gunton, que publicou a sua pesquisa sobre o ressurgimento da doença na Diabetic Medicine, disse que pacientes obesos ou acima do peso também podem sofrer disto.

O artigo revelou ainda que não havia nenhum padrão social na incidência da doença e que os pacientes com dietas pobres pareciam ter origens sócio-económicas muito variadas.

“Esse resultado sugere que, apesar da grande quantidade de recomendações de dieta prontamente disponíveis para a comunidade, ainda há muitas pessoas (…) que não estão a receber as mensagens”, disse.

Como hoje em dia não se costumam fazer exames médicos para diagnosticar o escorbuto, a investigadora deixa um conselho aos profissionais. “Principalmente se os seus pacientes apresentam úlceras que não cicatrizam, facilidade para ter hematomas ou sangramento de gengivas sem causa evidente”, lembrou.

Move

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui